Bullying no contexto escolar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3681 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR

Trabalho Acadêmico realizado pela acadêmica Elaine Rosalia Friedrich, apresentado na disciplina de Filosofia e Serviço Social II, do Curso de Serviço Social – Área de Ciências Humanas do Centro Universitário Franciscano, como avaliação do 2° bimestre/2011.

INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por objetivo abordar a prática do Bullying , que tem sido amplamentedivulgada pela mídia nacional, por estar se tornando uma temática bastante presente em nossas vidas. Porém, sua gravidade e abrangência são muitas vezes desconhecidas por grande parte da população. O desenvolvimento deste estudo pretende esclarecer e desvelar as variadas formas pelas quais o fenômeno se apresenta, focando especialmente sua prática no contexto escolar, de forma a tentar buscarmedidas para sua prevenção e enfrentamento.
É importante ressaltar que, além do ambiente escolar, a prática do bullying se dá em várias esferas da vida social, tais como no local de trabalho (workplace bullying, mobbing ou assédio moral), nos relacionamentos amorosos, nos quartéis, na família, nas igrejas, na internet (cyberbullying ou bullying digital), até mesmo no telefone celular (móbilebullying), ou seja, em qualquer contexto no qual existam pessoas interagindo. O objetivo deste trabalho é refletir acerca do bullying praticado no ambiente escolar, visto que tem se tornado uma prática cotidiana e seus efeitos são devastadores, na maioria dos casos.
O termo bullying refere-se a condutas e atitudes agressivas, que ocorrem sem qualquer motivação evidente, sendo repetitivas eintencionais, cometidas por um ou mais alunos contra outro(s), acarretando medo constante, exclusão, angústia, raiva, prejuízos à vítima em suas faculdades mentais e emocionais. Através desta reflexão, tentaremos identificar alguns fatores que levam a sua prática, suas consequências e salientar a importância de seu enfrentamento, a fim de propiciar pesquisas e reflexões, principalmente nas áreas da saúde eeducação, para direcionar a criação e efetivação de políticas públicas, de ferramentas de identificação de sua ocorrência, na busca por respostas adequadas que previnam e reduzam, de forma eficaz, esse fenômeno, que é uma das expressões da questão social , objeto de intervenção do assistente social.

Desenvolvimento

Para discorrer sobre o tema abordado neste artigo de uma maneira mais clara,realizamos uma breve pesquisa sobre o assunto “Bullying”. A pesquisa foi realizada no universo de uma sala de aula de um curso superior, com alunos de graduação.
Foram elaboradas 14 questões de múltipla escolha, verificando o possível sofrimento de bullying na infância dos entrevistados.
A maioria dos entrevistados encontra-se na faixa etária de 19 a 29 anos, é do sexo feminino, e cursou oEnsino Fundamental e Médio em escola pública.
Quando questionados se já haviam sofrido algum tipo de intimidação, agressão ou assédio, 17 deles afirmou que sim, sendo que o período que compreende os 12 e os 14 anos seria o de maior incidência das agressões (10 indivíduos). Para a maioria dos entrevistados, 14 deles, o bullying teria ocorrido dentro da escola.
Quanto ao sentimento que este tipo deação gerou, em sua maioria (11 pessoas), teriam se sentido mal. Sendo que 3 afirmam ter sentido medo, 2 tiveram o sentimento de revide ao agressor e 1 afirma que não se sentiu incomodado.
Levando-se em conta as respostas dos entrevistados, percebe-se que a ação de bullying mais sofrida, 13 indivíduos, seria a discriminatória (raça, credo, porte físico, característica corporal, entre outros).Segundo a maioria dos entrevistados (9 deles), a ação do bullying não teria tido grandes consequências, já para 7 as consequências teriam sido ruins.
Quando perguntados sobre a opinião que tinham em relação a quem pratica bullying, 9 deles, a maioria, afirmou que também estes seriam vítimas. 6 pessoas dizem sentir pena dos agressores, e 2 dizem que não sentem nada por eles.
Quanto a já terem...
tracking img