Brecht e stanislavski

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2269 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Brecht e Stanislavski



Resumo: Esta pesquisa aborda as relações existentes entre Brecht e Stanislavski, procurando perceber pontos de oposição e aproximação entre os dois estudiosos. Inicialmente, demos um foco individual para Brecht, abordando principalmente a dramaturgia e encenação épica e o efeito do distanciamento; e em seguida, trabalhamos especificamente Stanislavski enfatizando osconceitos de memória emotiva e das ações físicas. Por fim, realizamos uma interseção do estudo realizado individualmente entre os dois teóricos, procurando estabelecer relações entre eles, além de analisar a natureza das relações de aproximação, percebendo se são aproximações de pressupostos teóricos ou apenas de elementos sistemáticos e metódicos.
Palavras-chave: Brecht, Stanislavski, relações1. Brecht: o teatro épico e o estranhamento

Eugen Berhtold Frederic Brecht nasceu em Ausburg em 10 de fevereiro de 1898. Foi um grande dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX, e seus trabalhos exerceram grande influência sobre o teatro contemporâneo. Brecht defendia um teatro dialético e político, com função transformadora, que atuasse revolucionariamente sobre o ambientesocial.


Essa perspectiva política que Brecht conferiu ao seu teatro, além de provir de influências advindas do teatro político de Piscator[1], deve-se a sua postura ante a realidade social, política e econômica que o cercava. Afinal, como ele mesmo disse, viveu em “tempos negros”: viu a 1ª Guerra Mundial, o massacre da Revolução Alemã com a morte de milhares de operários e liderançassindicais, viu a fome nos anos 20, a ascensão de Hitler, e a perseguição de perto.


As ruas do meu tempo conduziam ao pântano.


A linguagem denunciou-me ao carrasco.


Eu pouco podia fazer.


Mas os que estavam por cima.Estariam melhores sem mim (Bertold Brecht)






De acordo com Walter Hink uma das características da dramaturgia brechtiana ou dramaturgia épica é a relativização da ação, ou seja, a ação dramática metaforiza uma realidade social. É como uma parábola, uma símile do social. A situação específica apresentada no texto pelas personagens (horizonte menor) é relativizada pela situaçãosocial (horizonte maior). Dessa forma, a dramaturgia e a encenação brechtiana mostram-se como instigadoras de uma reflexão crítica e uma tomada de decisão frente a realidade apresentada.


O dramaturgo alemão possui grande influência da teoria Marxista e do materialismo histórico. Dessa forma, Conforme Rosenfeld (2008) Brecht não compreende o homem como um ser fixo, imutável, preso a sua“condição humana” e regido por forças insondáveis, antes tem um concepção histórico-social do humano, de forma que este se apresenta como capaz de transformar-se e transformar o mundo a sua volta.


Comungado com essa concepção histórica do homem, Brecht fala do efeito do distanciamento ou estranhamento, ou seja, retirar o óbvio e lançar o espanto e a curiosidade, pois para ele anaturalidade gera imutabilidade, uma vez que ninguém questiona, e consequentemente, não muda aquilo que é considerado natural, normal. Na peça a excessão e a regra, estreada em 1930, Brecht nos incentiva a achar estranho o que não é estranho, achar difícil de entender o que é a regra, enfim, nunca considerar nada como natural, antes duvidar e questionar.


Brecht tece várias críticas ao teatroburguês alemão da época, que ele denomina de teatro aristotélico, considerando-o uma ilusão mágica que leva o espectador a um estado de dormência e passividade, causada por um efeito cartático de identificação emocional. Daí surge o teatro épico onde o espectador é colocado diante da ação como uma testemunha, instigando-o a tomar decisões, proporcionando-lhes visões de mundo, submetendo as emoções...
tracking img