Bras cubas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 76 (18976 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
Esta é uma história fantástica, narrada por um defunto-autor. Brás Cubas, o narrador-personagem, é apresentado nela, por Machado de Assis, como um homem pretensamente superior, a fim de revelar exatamente o oposto, ou seja, o quanto a condição huamana seria frágil, precária. Vemos que se revela o realismo irônico, de forma universal e intemporal,surgindo ante os leitores a postura niilista, ou seja, de completa negativa de tudo, misturada à filosofia e à metafísica.

De acordo com Lúcia Miguel-Pereira, a obra, em sua ousadia, deixa de fora o sentimentalismo, o moralismo de superfície, a sonhada unidade do ser humano, o plavreado sentimentalóide, o medo de escandalizar os preconceituosos, a ideia de que o amor sempre deveria prevalecersobre qualquer outro tipo de paixão, a eterna recorrência à natureza, como se esta fosse a única forma de se colocar a cor local para o leitor. Em contrapartida, homens e mulheres revelam-se como personagens, inde­pendentemente de nacionalidade ou regionalismos; a visão do ambiente e da época aparecem com clareza e o humor é utilizado com maestria, em nossa literatura, pela primeira vez."Memórias Póstumas de Brás Cubas" é a obra que sela a nossa independência literária, a nossa maturidade intelectual e social, a liberdade de concepção e expressão de que o Brasil se encontrava necessitado na época. Machado de Assis atribuiu ao romance um caráter regional, sem entretanto deixar de ser brasileiro. Apenas, não teve mais, como acontecia com autores de escolas anteriores, que ficar provandobrasilidade em seu texto.

Como perfeitamente sabemos, essa obra é conhecida como um "divisor de águas" na Literatura Brasileira. É ela que divide em duas partes o trabalho do escritor Machado de Assis: a fase romântica e a fase realista, que tem início com sua publicação. Também é ela, em 1881, que faz a passagem do Romantismo para o Realismo brasileiro.

Supostamente, as memórias foramescritas por um "defunto-autor", ou seja, um narrador-personagem que conta sua vida depois de morto, do além-túmulo, o que nos reporta aos "Diálogos dos Mortos" de Luciano de Samósata, escritor grego, dando à obra um caráter luciânico, o que também ocorre no "Auto da Barca do Inferno", de Gil Vicente, e em "Dom Casmurro", do mesmo Machado - uma obra aberta, também característica herdada do escritorgrego já citado.

O foco narrativo em primeira pessoa dá ao perso­nagem Brás Cubas o monopólio do texto. Aparen­temente, seu relato caracteriza-se por uma postura de isenção, ou seja, prima pela impar­cialidade, já que um morto não teria qualquer necessidade de mentir, já que deixara o mundo dos vivos e, assim, abandonara qualquer compro­metimento, ilusão ou envolvimento.

No entanto, seobservarmos com cuidado, a obra só poderá ser entendida se começarmos por analisar o que o personagem conta, procurando perceber certos sinais, que indicam que ele mente, exagera e chega, inclusive, a ser incongruente. Brás Cubas manipula a história, mostra-se sempre superior, com mania de grandeza, desde o início de seu relato. Chega a comparar seu relato ao Pentateuco, que é um livro sagrado, histórico,fundador de uma tradição religiosa, atribuído a Moisés, um profeta universalmente importante, insinuando que a diferença radical entre este relato e o seu seria apenas o fato de Brás narrar sua existência partindo da morte e Moisés, seguindo a cronologia normal, tomando o nascimento como início. Logicamente, apenas um grande presunçoso não perceberia a diferença entre as duas narrativas, o grau deimportância de cada uma, o que nos revela o grande presunçoso que ainda vive no "defunto-autor" Brás Cubas.

A ironia destaca-se no decorrer da obra e direciona-se a vários objetos. Um exemplo, seria a postura romântica, quando apresenta alguns trechos em que a ridiculariza - como a frase de que a natureza chora sua morte ou ao questionar a bondade e a fidelidade do amigo que o elogia em seu...
tracking img