Bioinformativo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 33 (8122 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Ano I - N° 11 - Maio 2012

APRESENTAÇÃO

NESTA
EDIÇÃO
Preços da
Agricultura
Familiar
Cotações
Industriais

foto: ASCOM / MDA

Prezado Leitor,
A 11a Edição do BioinformaBioinformativo percorre o mercado de
oleaginosas provenientes da
agricultura familiar para o setor de
biocombustíveis, foco das análises.

matérias: um estudo de caso no Polo
de Biodiesel do Ceará e também umaentrevista realizada com o diretor
executivo da União Brasileira do
Biodiesel - UBRABIO, o senhor
Sergio Beltrão, discutindo questões
Inicialmente são analisados os pertinentes ao setor de produção de
preços médios da agricultura familiar, biodiesel.
as cotações nacionais das usinas e
O estudo de viabilidade desta
esmagadoras de oleaginosas, e do
mercado internacional dos principaisedição traz a atualização da
óleos utilizados na produção de viabilidade econômica da soja.
Fechando a edição, no Espaço MDA,
biodiesel.
são apresentados os Polos de
Na seção de matéria especial, a Produção de Biodiesel do Sudeste e
d é c i m a p r i m e i r a e d i ç ã o d o do Norte brasileiro.
bioinformativo disponibiliza duas maBoa leitura!

MATÉRIA ESPECIAL
A Produção de
Biodiesel noBrasil
Projetos Polos e a
Importância da
Produção de
Oleaginosas Para
o Agricultor
Familiar do Estado
do Ceará
Custo de
Produção da
Agricultura
Familiar
Estudo de
Viabilidade
Econômica
Espaço MDA

UNIVERSIDADE FEDERAL
DE VIÇOSA

1

Ano I - N° 11 - Maio 2012

Preços da Agricultura Familiar
Soja
Os preços médios da soja
negociados com as cooperativas de
agricultoresfamiliares variaram
positivamente no mês de abril. A
Tabela 1 mostra os preços da soja,
tanto fora quanto dentro do Selo,
coletados junto às cooperativas de
agricultores familiares participantes
do Selo Combustível Social. O estado
com a maior variação em relação ao
mês anterior (março) foi Mato
Grosso, cujo preço médio no mercado
convencional foi 17% maior,
passando de R$41,03 para R$48,03/scno mês de abril. A menor variação foi
no estado de Santa Catarina, que
pagou aproximadamente 10% a mais
que em março, passando de R$46,13
para R$50,63/sc em abril. O maior
preço médio negociado pelas
cooperativas no mercado
convencional foi no estado do Rio
Grande do Sul, R$50,92/sc, e o menor
no estado de Minas Gerais,
R$46,50/sc. Ressalta-se que os esta-

dos da Região Sulobtiveram uma
média de R$50,54/sc,
aproximadamente 3% acima da média
nacional, que foi de R$49,20/sc,
14,62% maior que a média do mês de
março, R$42,93/sc.
O preço médio nacional pago
às cooperativas no mercado com Selo
variou positivamente em relação ao
mês de março, que foi cotado a
R$44,51/sc, representando um
aumento de 15,06% em abril,
passando para R$51,22/sc de soja. A
maior variaçãono preço médio com
Selo foi no estado de Goiás, 16,66%,
subindo de R$45,78/cs para
R$53,41/sc em abril. O estado com
menor variação foi Santa Catarina,
onde o preço médio com Selo
aumentou em 11%, passando de
R$47,13/sc para R$52,38/sc.
O maior bônus pago às
cooperativas no mês de abril pela saca

da soja foi em Goiás, R$4,35/sc, e o
menor no Paraná, R$1,12/sc. A maior
variação nobônus foi em Santa
Catarina, que pagou 75% a mais que
em março, passando de R$1,00/sc
para R$1,75/sc. No estado do Mato
Groso o bônus não variou e no Paraná
houve um recuo de aproximadamente
4%, passando de R$1,17/sc para
R$1,12/sc. O preço médio nacional do
bônus em abril obteve um aumento de
27% aproximadamente, passando de
R$1,59 para R$2,02/sc de soja.
No Gráfico 1 é possível
observaras alterações ocorridas no
preço médio de mercado e de Selo.
Nota-se que no mês de abril o preço
médio da soja em ambos os mercados
apresentaram a melhor remuneração
do período de coleta de dados pelo
Centro de Referência, representando
um aumento de, aproximadamente,
27% em relação ao primeiro mês de
coleta, junho de 2011.
Soja

2

46,50

49,00

2,50

MT

48,03

49,23...
tracking img