Bioeletricidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1187 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de novembro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Bioeletricidade
bioeletricidade é uma energia limpa e renovável feita a partir da biomassa de subprodutos da cana-de-açúcar (bagaço e palha) para produção do etanol. Essas duas fontes de energia, que somadas, transformaram a cana-de-açúcar na melhor cultura para a produção de combustíveis e eletricidade de baixo carbono, são o resultado da reinvenção da indústria canavieira com novastecnologias. No Brasil, 80% da bioeletricidade vem dos canaviais, os outros 20% de restos de madeira, carvão vegetal, casca de arroz e capim elefante.
Na fabricação de bioeletricidade, primeiro a cana é colhida e levada para uma usina. Depois de moída ela produz um caldo que será encaminhado para a produção de açúcar e etanol. Além disso, sobram também o bagaço e a palha, que são os principais componentesna criação da eletricidade.
A biomassa da cana é colocada em caldeiras e a partir desse processo é gerado um vapor que produz três tipos de energia. A térmica, que é usada no processo de fabricação do açúcar e do etanol. A mecânica que movimenta as turbinas responsáveis pela geração da terceira forma energética, a bioeletricidade.
Bioeletricidade e Hidroelétrica: Iluminar com inteligência
Abioeletricidade preserva o meio ambiente, ajuda a manter a camada de ozônio e tem papel fundamental para complementar a energia hidroelétrica (gerada pelas águas).
A hidroelétrica corresponde a 90% da carga elétrica do país, apesar de ser um modelo de sucesso, a construção dos grandes reservatórios de água sofreu restrições pela legislação ambiental. O que torna a bioeletricidade um modelo limpo quepode complementar esse processo.
Outro benefício da energia verde está no seu aproveitamento, após a colheita da cana, a palha que fica no solo oferece proteção natural contra erosão e ervas daninhas, reduzindo a necessidade de agrotóxico







Potencial de membrana
O potencial de membrana corresponde à diferença de potencial elétrico entre as faces externa e interna da membrana de umneurônio. O potencial de repouso corresponde a esse valor em um neurônio que não está transmitindo nenhum impulso nervoso. O que gera o potencial de repouso é a diferença de concentração de íons sódio (Na+) e potássio (K+) dentro e fora da célula. Por causa dessa diferença, dizemos que a membrana está polarizada. O que mantém esta diferença é o mecanismo de bombeamento de íons (transporte ativo),forçando o sódio a sair e o potássio a entrar, com gasto de energia. Graças ao bombeamento, os íons K+ ficam mais concentrados do lado interno e os íons Na+, do lado externo da célula. Como a membrana é mais permeável ao potássio do que ao sódio, a quantidade de íons K+ que sai por permeabilidade é maior do que a de íons Na+ que entram pelo bombeamento. Como resultado, a célula perde cargaspositivas e as negativas ficam em excesso, deixando o interior da membrana negativo em relação ao lado externo (há 30 vezes mais potássio dentro da célula do que fora desta). O valor do potencial de repouso é de –70mV. O potencial de repouso deixa o neurônio preparado para receber um estímulo e, consequentemente, transmitir o impulso nervoso. A bomba de sódio potássio mantém a membrana polarizada (nopotencial de repouso). No caso do potencial de ação, o que ocorre é que um estímulo provoca mudança de permeabilidade na membrana, abrindo uma porta de passagem para o sódio que penetra na célula abruptamente, despolarizando a membrana. Após 1,5 milésimo de segundo, as portas de passagem de potássio se abrem, permitindo sua saída. Com isso, a membrana é repolarizada, voltando à condição de repouso.Potencial elétrico de membrana é a diferença de potencial elétrico (voltagem) através da membrana plasmática, principal sistema de funcionamento dos neurônios. Também presentes em outras células, este potencial surge da atividade de canais de proteínas e proteínas transportado de íons que
mantêm regularizadas as concentrações desses íons no citoplasma, separados por uma bi...