Bilinguismo

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE
CENTRO DE CIÊNCIAS E HUMANIDADES – CCH
COORDENADORIA DE EXTENSÃO – COEX







CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARAEDUCADORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO EM SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Secretaria Municipal de Educação/São Paulo

Diretoria de Orientação Técnica – Educação EspecialCurso de Formação de Professores em Educação Especial com ênfase em Surdez







Trabalho entregue como exigência de avaliação parcial da disciplina: Abordagens deExposição à Língua na Educação de Surdos: Representações e ensino da língua escrita sob a orientação do(a) professor(a) Ms. Débora Rodrigues Moura






Nome: Sheila Vieira

Turma: C

SãoPaulo

2012

ARTIGO: “ Um pouco da história das diferentes Abordagens na Educação dos Surdos”

Autor(a): Cristina B. F. Lacerda

Fonte: Cad. CEDES vol. 19 n. 46 Campinas Sept. 1998

Por quasetoda idade média acreditava-se que os surdos não fossem educáveis, que eles não tinham capacidade de aprender e tão pouco compreender.

No século XVI, admite-se que os surdos podem aprender, e opropósito da educação dos surdos passou a girar em torno da comunicação com ouvintes, ensinavam os surdos a falar, e compreender a língua falada.

Havia uma grande atenção dada a fala e escrita, osprofessores inventavam códigos para o alfabeto e os ensinamentos partiam da leitura e escrita para chegar na leitura labial e articulação das palavras.

A sociedade presumia que o surdo deveria falar,oralistas e gestualistas possuíam idéias contrárias; os oralistas exigiam que os surdos parecessem ouvintes, se comportando como se não fossem surdos. Os gestualistas perceberam que os surdos tinhamdificuldade com a língua falada e escrita e que estes possuíam uma linguagem eficiente para a comunicação e o acesso à cultura, oriundo desta corrente está o abade Charles M. De L’Epée, o primeiro a...
tracking img