Bexiga neurogênica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2307 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
FAETEC
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE SANTA CRUZ

CURSO DE ENFERMAGEM

ELISAMA DE FRANÇA CARVALHO ZAGO
VITOR SOUZA AZEVEDO

BEXIGA NEUROGÊNICA

RIO DE JANEIRO
2013

ELISAMA DE FRANÇA CARVALHO ZAGO
VITOR SOUZA AZEVEDO

BEXIGA NEUROGÊNICA

TRABALHO APRESENTADO NO CURSO TÉCNICO DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE SANTA CRUZ (FAETEC) NO CURSO DE ENFERMAGEM, PARA OBTENÇÃO DE NOTA DO PROMEIRO TRIMESTRE.

RIO DEJANEIRO
2013

INTRODUÇÃO

O ato de urinar é uma das funções mais complexas que o ser humano realiza. Partes do sistema nervoso e muscular se inter-relacionam, formando uma trama ainda não completamente compreendida. Fibras musculares lisas e estriadas promovem contração e relaxamento, com a finalidade de manter um gradiente de pressão que assegure o armazenamento de urina na bexiga e sua liberaçãono momento conveniente. Apesar de existirem terminações simpáticas e parassimpáticas distribuídas ao longo de toda a bexiga e região esfincteriana, sabe-se que o músculo vesical (detrusor) é rico em receptores colinérgicos, sendo a região esfincteriana controlada principalmente por receptores adrenérgicos do tipo alfa 1. A falha desse mecanismo, que foi denominado de esfíncter, produz os maisvariados graus de incontinência urinária.

DESENVOLVIMENTO

CONCEITO DA DOENÇA

Disfunção vésico-esfincteriana resultante de lesão neurológica que compromete a integridade do centro da micção (S2-S4). Ocorrem alterações do órgão e da função da bexiga e esfíncter vesical, resultantes de lesões do sistema nervoso central.

ETIOLOGIA E FISIOPATOLOGIA

A principal causa de bexiga neurogênica na infânciaé a mielodisplasia, que tem na meningocele e mielomeningocele as anomalias encontradas com maior freqüência. O principal sintoma da bexiga neurogênica, independente da sua etiologia, é a incontinência urinária, a qual pode ser verdadeira ou paradoxal. A última refere-se à perda de urina que ocorre apesar de encontrar-se a bexiga cheia. A incontinência de esforço é pouco encontrada na infância.

Otrato urinário inferior (TUI) realiza duas funções básicas: (1) enchimento/reservatório de urina e (2) esvaziamento. Para que essas funções possam ocorrer adequadamente, é necessário que ocorra relaxamento da musculatura lisa vesical (detrusor) e aumento coordenado do tônus esfinctérico uretral durante a fase de enchimento da bexiga, e o oposto durante a micção. A coordenação das atividades dabexiga e do esfíncter uretral envolve uma complexa interação entre os sistemas nervosos (central e periférico) e fatores regulatórios locais, e é mediada por vários neurotransmissores.

O funcionamento da bexiga é coordenado em diferentes níveis do sistema nervoso central, localizados na medula, ponte e centros superiores, por meio de influências neurológicas excitatórias e inibitórias que se dirigemaos órgãos do trato urinário inferior e da aferência sensitiva destes órgãos. Perifericamente, o trato urinário inferior é inervado por três tipos de fibras: (1) parassimpáticas; (2) simpáticas e (3) somáticas. A inervação vesical parassimpática origina-se de neurônios localizados na coluna intermédio-lateral dos segmentos S2 a S4 da medula e é conduzida pelo nervo pélvico até os gânglioslocalizados no plexo pélvico. Este se localiza lateralmente ao reto e origina as fibras parassimpáticas pós-ganglionares, que se dirigem para a bexiga. A inervação eferente simpática é originada no segmento toracolombar da medula, de T10 a L2, e direciona-se, através da cadeia simpática, ao plexo hipogástrico superior (pré-aórtico). A subdivisão caudal deste plexo forma o nervo hipogástrico, contendo oseferentes pós-ganglionares simpáticos para a bexiga e a uretra. A inervação da musculatura estriada do esfincter uretral é predominantemente somática. Origina-se no núcleo de Onuf, localizado no corno anterior de um ou mais segmentos da medula espinhal sacral (S2-S4). Fibras somatomotoras originadas deste núcleo inervam o esfincter uretral, por meio dos nervos pudendos, sem conexão em gânglios...
tracking img