Barra da tijuca

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1387 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
História da Moda no Brasil
Rio de Janeiro 2011




BARRA DA TIJUCA






A ocupação da Barra e de Jacarepaguá começou em 1594, com a concessão de duas sesmarias pelo governador do Rio de Janeiro da época, Salvador Corrêa de Sá, a seus dois filhos, Martim de Sá e Gonçalo Corrêa de Sá. 
Asterras de Gonçalo Corrêa de Sá foram legadas em testamento por sua filha, Victória Corrêa de Sá, ao Mosteiro de São Bento. Os monges tomaram posse da área em 1667 e fundaram várias fazendas, onde se dedicaram por mais de 200 anos à cultura de cana de açúcar, mandioca e criação de gado.
A sesmaria de Martim de Sá ficou em poder de seus descendentes até 1694, quando foi vendida à família Serpa Pinto,que fundou ali a Fazenda da Restinga. Em 1920, esta passou ao controle de uma companhia ferroviária inglesa.
Em 1938, o industrial Euvaldo Lodi fez o primeiro loteamento da Barra, ele também foi o responsável pela fundação do loteamento do Jardim Oceânico.
No fim dos anos 60, com a abertura do túnel Dois Irmãos e do elevado do Joá, ligando a Zona Sul à Barra pela costa, deu o início para o projetode urbanização idealizado pelo arquiteto Lúcio Costa. Esse plano tinha por objetivo controlar a expansão urbana e preservar a geografia do lugar, suas belezas naturais como as praias, as dunas, restingas e lagoas, já que era uma das últimas áreas disponíveis para onde a cidade poderia se expandir. O ponto central do plano era a construção de duas vias principais, a Avenida das Américas e a AvenidaAlvorada (atualmente Avenida Ayrton Senna), que fariam a ligação de todo o bairro, e também limitava os gabaritos para construção dos prédios, dentre outros aspectos. Também definia os usos do espaço: residencial, comercial, lazer, preservação ambiental. As moradias se concentrariam em uni ou pluri-familiares, formando os já conhecidos condomínios fechados, que tentam reproduzir dentro deles umpequeno centro com comércio e serviço, dando segurança a seus moradores.
Lúcio Costa pretendia ordenar essa “nova área” da cidade, caracterizada por ser uma extensão das áreas de Copacabana, Ipanema e Leblon, a zona Sul da cidade. Impedindo que acontecesse o que ocorreu nesses mesmos bairros, uma barreira de cimento construída nas avenidas litorânea, bloqueando a vista do mar dos demais quarteirões.Com esse plano, Lúcio Costa pretendeu harmonizar a urbanização e a natureza.
O bairro apresentou a partir da década de 70 um grande impulso de ocupação, caracterizado por um rápido processo de expansão e urbanização, no qual transformou rapidamente uma área pouco habitada, onde predominava a agricultura, em um espaço bastante ocupado e movimentado, e que atualmente é um dos mais valorizado do Riode Janeiro. De acordo com a contagem de 2000, feita pelo IBGE, o bairro apresenta uma população de aproximadamente 174,353 habitantes.


A Barra da Tijuca apresenta uma urbanização totalmente diferente da maioria dos bairros do Rio de Janeiro, com uma predominância de ruas largas de alta velocidade onde há poucos pedestres e ciclistas. Em alguns pontos da cidade a urbanização ainda seassemelha com a dos bairros mais tradicionais, porém no nosso trabalho escolhemos trabalhar com a Avenida das Américas que é uma das maiores da cidade e a mais característica da Barra.
A Avenida das Américas se estende desde o início da Barra até o bairro de Vargem Grande passando ainda pelo Recreio dos Bandeirantes e é uma via de alta velocidade onde os motoristas costumam andar em velocidades superioresa 80 km/h. Esse fato é determinante no que diz respeito ao planejamento de design da comunicação visual dos estabelecimentos comerciais que se instalam ao longo da Avenida.
Ao longo das Américas, como é chamada, estão várias lojas de automóvel, supermercados, prédios comerciais, condomínios residenciais, shoppings abertos e fechados. Os shoppings abertos são aqueles que dispõe suas lojas para...
tracking img