Avaliação bromatólogica de dois tipos de milho em grão antes e após a passagem pelo trato digestivo de bovinos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4896 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
1.0 INTRODUÇÃO

O milho, alimento importante pela sua riqueza em amido, é encontrado em proporções significativas nas misturas de alimentos concentrados destinadas a ruminantes, já que estes animais não aproveitam bem a gordura como fonte de energia. Contudo, são necessários cuidados para evitar-se fornecimento de quantidades excessivas de concentrados nas rações, pois isto diminui seusconteúdos em fibra, resultando em menor tempo de ruminação, menor secreção salivar e queda do ph do conteúdo do rúmen. Todos esses fatores conduzem à redução da digestão da fibra no rúmen podendo ser lembradas modificações que resultam no aumento na taxa de passagem e diminuição do número de bactérias celulolíticas.
No Brasil a dieta dos ruminantes é preponderantemente composta de forragem volumosasurgindo como conseqüência queda acentuada na disponibilidade de alimentos durante o período de estiagem. Nesta situação, o fornecimento do milho em misturas concentradas garante a energia digestível suficiente para serem atingidos desempenhos melhores de produção.
Existem várias informações de como o milho em grãos deve ser fornecido para ruminantes. Assim, alguns autores sugerem moagemgrosseira quando seu destino é mistura iniciadora para bezerros novos, enquanto finamente moído teria maior taxa de passagem pelo rúmen, podendo ser melhor digerido em intestinos de animais adultos.
O tamanho das partículas dos alimentos influencia a taxa de saída do rúmen e altera a sua distribuição dentro do órgão: quanto menor a partícula maior na oportunidade de sua localização na parte dorsal ondea digestão microbiana é menos intensa. Já o fornecimento de grãos de milho inteiros (uma situação próxima dos grãos quebrados) implica em sua locomoção para saco ventral, tendo nesta situação uma permanência mais longa no interior do órgão.
A redução no tamanho das partículas, por moagem ou peletização, talvez seja o principal fator na aceleração da taxa de passagem de sólidos pelo rúmen. Amaior velocidade de passagem pode implicar em desvio do sítio de digestão, do rúmen para o intestino.
O objetivo do estudo é avaliação bromatólogica de dois tipos de miho em grão antes e após a passagem do trato digestivo de bovinos.

2.0 REFERENCIAIS TEÓRICOS

Nem todas as bactérias são equipadas com um completo arranjo enzimático, então a digestão completa do amido requer interação entreespécies bacterianas. Grão inteiro com o pericarpo intacto é muito ou totalmente resistente à digestão por ruminantes porque são resistentes à adesão dos microorganismos (Beauchemin et al., 1994). Em contraste, grãos processados têm a sua digestibilidade aumentada, devido a maior oportunidade para à adesão aos grânulos de amido. Ruminantes “processam” amido por mastigação, quebrando o pericarpo(Huntington, 1997). Além disto, o endosperma dos cereais, em especial a região periférica, é cercado por uma parede celular rica em compostos β-glucanos que prejudica a atividade microbiana; e também a matriz protéica que envolve os grânulos de amido dificulta a atividade das amilases, visto que deve ocorrer uma proteólise simultânea, para que as bactérias possam utilizar o amido. Desta forma, quando acutícula é quebrada as características da matriz protéica e do endosperma do grão irão determinar a taxa de adesão e fermentação do amido pelas bactérias ruminais (KOTARSKI et al., 1992, McALLISTER et al. 1993).
A hidrólise intestinal das moléculas de amilopectina e amilose que compõem o amido é feita enzimaticamente da mesma forma como acontece no rúmen. O pâncreas é o órgão responsável pelaprodução e liberação da principal enzima envolvida na digestão intestinal do amido, uma endoenzima α (1,4) denominada α-amilase. A mucosa intestinal também secreta amilase, porém em menor proporção (HARMON, 1992). No intestino grosso a ação é microbiana, como no rúmen, ocorrendo a produção de ácidos graxos voláteis a partir da glicose derivada do amido.
A maior velocidade de passagem pode...
tracking img