Av paukista

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2285 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS
CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO



AVENIDA PAULISTA: história, evolução e modificações

São Paulo
2011

Em meados de 1782, a região era apenas uma grande floresta denominada Caaguaçu (“mato grande” em tupi) pelos índios. Era ali, atravessando o sítio do Capão, que a estrada da Real Grandeza cortava a vegetação grossa com umapequena trilha. Quando o engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima, juntamente com dois sócios, comprou a área, começou a trabalhar na sua urbanização de forma inovadora, criando grandes lotes residenciais. Em 8 de dezembro de 1891 foi inaugurada a primeira via a ser asfaltada e a primeira arborizada. A população da cidade não passava de 100 mil habitantes quando a Avenida Paulista ficou pronta.Há muito tempo havia o desejo dos paulistanos em expandir na cidade novas áreas residenciais que não estivessem localizadas imediatamente próxima às mais movimentadas centralidades do período, por essa época altamente valorizadas e totalmente ocupadas, tais como a Praça da República, o bairro de Higienópolis e os Campos Elísios.Avenida Paulista-1902

Foi reservado um grande bosque para ser um parque público, sendo encarregado o paisagista francês Villon a fazer o ajardinamento e construção de um pavilhão restaurante. Sua grandeza e símbolo da cidade já estava definida para o futuro. Para a época era algo nunca visto: muito larga com três vias separadas por magnólias eplátanos, e com imensos lotes de cada lado. Já apedregulhada em 1894, foi beneficiada em 1903 com a colocação de macadame em seu leito, e viria a ser a primeira via pública asfaltada e arborizada em São Paulo. No ano de 1899 a colônia inglesa inaugurou na Avenida Paulista o Colégio Anglo-Brasileiro; posteriormente em 1918, suas instalações foram ocupadas pelo colégio São Luiz.
Naquela época, houvegrande expansão imobiliária em terrenos de antigas fazendas e áreas devolutas, o que deu início a um período de grande crescimento. As novas ruas seguiam projetos desenvolvidos por engenheiros renomados, e nas áreas mais próximas à avenida e a seu parque central os terrenos eram naturalmente mais caros que nas áreas mais afastadas, não havia apenas residências de maior porte, mas tambémhabitações populares, casebres e até mesmo cocheiras em toda a região circundante.
No fim do anos 20, seu nome foi alterado para avenida Carlos de Campos, homenageando o ex-presidente do estado, mas a reação da sociedade fez com que a avenida voltasse a ter o nome com o qual foi criada e é conhecida até os dias de hoje.
A avenida foi aberta seguindo padrões urbanísticos relativamente novos para a época:seus palacetes possuíam regras de implantação que, como conjunto, caracterizaram uma ruptura com os tecidos urbanos tradicionais. Os novos palacetes incorporavam os elementos da arquitetura eclética (tornando a avenida uma espécie de museu de estilos arquitetônicos de períodos e lugares diversos) e dos novos empreendimentos norte-americanos: estavam todos isolados no meio dos lotes nos quais seimplantavam, configurando um tecido urbano, diferente do restante da cidade, que alinhava a fachada das edificações com a testada do terreno. Isso fez com que a avenida possuísse uma amplidão espacial inédita na cidade.

Avenida Paulista - 1928 | | |Esse perfil estritamente residencial da avenida permaneceu até meados da década de 1950, quando o desenvolvimento econômico da cidade levava os novos empreendimentos comerciais e de serviços para regiões afastadas do seu centro histórico.
Durante as décadas de 60 e 70, porém, e seguindo as diretrizes das novas legislações de uso e ocupação do solo, e a valorização dos imóveis incentivada...
tracking img