Autonomia da Vontade DIREITO CIVIL

 AUTONOMIA DA VONTADE
A expressão autonomia da vontade tem sua origem no pensamento filosófico de Kant e está relacionada à vontade real do sujeito no exercício de sua liberdade, sendoentendida como um dos desdobramentos do princípio da dignidade da pessoa humana. Partindo dos ensinamentos de LUIGI FERRI, constata-se que a autonomia da vontade possui uma conotação subjetiva oupsicológica, na medida em que representa o querer interno do sujeito de direitos, ou seja, a sua real vontade.
Nesta visão, a autonomia da vontade faz surgir um princípio de coerência entre a vontade internae a vontade manifestada. O querer interno do sujeito de direito deve corresponder ao querer declarado, o que justifica a adoção da teoria dos vícios do consentimento pela teoria geral do DireitoPrivado, como forma de invalidação de ato ou negócio jurídico. A autonomia da vontade possui um conteúdo nitidamente voluntarista, trazendo para a própria manifestação da vontade, a causa da produção deefeitos jurídicos. Nesse sentido, MISSES E HAYEK dizem que o contrato em si mesmo tem uma função de ordenamento social, sobretudo no contexto de uma economia liberal. As partes sabem o que é que lhesconvém, e deve-se deixá-las agir livremente porque dessa atuação desordenada, caótica, se desenvolverá a ordem social mais eficiente.


 O PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DA VONTADE

Considerações geraisO princípio da autonomia da vontade é o poder das partes de estipular livremente, como melhor lhes convier, mediante acordo de vontades, a disciplina de seus interesses, suscitando efeitos tuteladospela ordem jurídica. O princípio envolve, além da liberdade de criação do contrato, a liberdade de contratar ou não contratar, de escolher o outro contraente e de fixar o conteúdo do contrato,limitado pelas normas de ordem pública, pelos bons costumes e pela revisão judicial dos contratos. 

Segundo STRENGER, "a autonomia da vontade como princípio deve ser sustentada não só como um elemento...
tracking img