Autismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2399 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Definição
Consiste num modelo próprio de intervenção face à toxicodependência, com pressupostos, objectivos e metodologias específicas, que se configuram num corpo teórico-prático coerente e distinto de outras modalidades de intervenção, como sejam a prevenção, o tratamento ou a reinserção.
A Redução de Riscos e Minimização de Danos (RRMD) é uma política social que procura diminuir, atenuar oucontrolar os efeitos negativos do consumo de drogas, que se traduzem em problemas na esfera social ou na perspectiva individual do consumidor. Para além disso, este tipo de intervenção encontra justificação na questão sanitária e de saúde pública – trata-se de uma abordagem que, ao reduzir os comportamentos de risco junto da população toxicodependente, reduz os riscos sociais e sanitários para acomunidade envolvente. Este modelo de intervenção apresenta-se não como alternativa, mas como complemento indispensável aos modelos tradicionais de intervenção e à estratégia de tratamento.

DIMINUIÇÃO DOS RISCOS ASSOCIADOS AO USO/ABUSO DE DROGAS
DIMINUIÇÃO DO IMPACTO E DOS DANOS CAUSADOS PELO USO/ABUSO DE DROGAS
QUER NO INDIVIDUO QUER NA SOCIEDADE
MINIMIZAÇÃO DE DANOS

REDUÇÃO DE RISCOSRedução de Danos
HARM REDUCTION

Contextualizando
PRINCIPIOS DA REDUÇÃO DE DANOS

Experiência Holandesa
Durante os anos 70 iniciou-se o primeiro programa de distribuição de seringas – prevenção da hepatite.
Experiência de Liverpool
Durante os anos 80 foi iniciado o primeiro projecto de trabalho de rua “street agencies” .
Em Portugal:
* No final da década de 80 e início dos anos90 começam a esboçar-se as primeiras preocupações e intervenções deste tipo com o fornecimento de preservativos e a troca de seringas pelas farmácias (1993);

* Em 1999 é aprovada pelo Governo a Estratégia Nacional de Luta Contra a Droga que introduz de forma explícita a expressão “redução de danos” referindo os seus princípios humanistas e pragmáticos.
A lei
* Lei nº 30 de 2000 –descriminalização do consumo; referência às Comissões para a Dissuasão da Toxicodependência.
* Decreto-Lei nº 183/2001 - aprova o regime geral das políticas de prevenção e redução de riscos e minimização de danos.

1993 – Programa Troca de Seringas
O programa de troca de seringas “Diz Não a 1 Seringa em 2ª Mão” foi a primeira medida de Redução de Riscos implementada em Portugal.
Coimbra(Maio 1993) – Projecto STOP-SIDA
1996 – Primeiras Intervenções
Lisboa – Plano Integrado de Prevenção das Toxicodependências no Bairro do Casal Ventoso
Porto – “Contrato de Cidade”
A intervenção realizada no Bairro do Casal Ventoso permitiu realizar a primeira experiência de trabalho integrado no âmbito das medidas de redução de riscos e minimização de danos.
2001 – Campanhas de Intervenção emEspaços Nocturnos
As quais conduziram a uma intervenção mais estruturada através do Ponto de Contacto. Nesta estrutura foram realizados os primeiros contactos com consumidores de Ecstasy utilizando para isso diversas estratégias como, por exemplo, o “Pill Testing”.
2001 – Enquadramento Legal
Decreto Lei n.º 183/2001 de 21 Junho
Definição das Estruturas e Programas de Redução de Riscos eMinimização de Danos
Estruturas e Programas
* Gabinetes de Apoio
* Equipas de Rua
* Pontos de Contacto
* Unidades Móveis
* Centros de Acolhimento
* Centros de Abrigo
* Programa de Troca de Seringas
* Programa de Substituição Opiácea de Baixo Limiar
* Programas para Consumo Vigiado
* 1 Gabinetes de Apoio:
* Projecto Elos da Cooperativa ARRIMO
* 7Equipas de Rua:
* Aqui & Agora do SAOM;
* GIRUGAIA da APDES;
* IN LOCO da Associação pelo Prazer de Viver;
* Rotas com Vida da Norte Vida;
* SMACTE do Centro Social de Paramos;
* 3 R(s) da APF;
* Zona Histórica do Porto da Cooperativa ARRIMO.

PRESSUPOSTOS RRMD:
Pragmatismo
Aceita
Que a utilização de substâncias com potencial de alterar...
tracking img