Autismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5941 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1. AS DIFERENTES COMPREENSÕES DO AUTISMO - DA IDENTIFICAÇÃO DO QUADRO
AOS DIAS DE HOJE
Os Transtornos Globais do Desenvolvimento - TGD - representam uma categoria na qual estão
agrupados transtornos que têm em comum as funções do desenvolvimento afetadas. Entretanto, este
conceito é recente e só pode ser proposto devido aos avanços metodológicos dos estudos e à superação
dos primeirosmodelos explicativos sobre o autismo.
Para que se possa melhor compreender os TGD e a importância desse conceito, iniciaremos
abordando a compreensão do autismo ao longo da história, embora ele seja, atualmente, um dos
Transtornos Globais do Desenvolvimento.
As primeiras descrições do autismo foram feitas nos anos 40. Os aspectos então priorizados para
estudo e os pontos de vista a partir dos quaiso quadro foi descrito e compreendido influenciaram as
abordagens práticas de ajuda e tratamento.
Esta influência não se deu por se tratar do autismo, mas pelo fato de que todo estudo, abordagem
e conhecimento têm como conseqüência inerente a adoção ou exclusão de intervenções práticas.
No âmbito educacional, a influência dos modelos explicativos sobre o autismo, ao longo da história,determinou as primeiras iniciativas de intervenção no ensino que, entretanto, foram muito específicas
e distanciadas daquelas desenvolvidas no meio social inerente à escola como a conhecemos hoje.
Esse fato histórico encontra-se implicado na surpresa e no desafio vivenciados hoje pelos professores
nas diversas redes de ensino ao se verem, pela primeira vez, diante da oportunidade de receber
umacriança com autismo em suas turmas. Apesar de toda a surpresa, as práticas desenvolvidas por
estes professores se tornam uma novidade e uma importante contribuição na construção do conhecimento
a respeito do autismo e das potencialidades da educação escolar na vida dessas crianças.
Para que possamos dimensionar tal novidade, é importante seguirmos a trajetória histórica da
abordagem do autismo,desde a primeira descrição até os dias de hoje.
O Autismo nos fascina!
"Desde 1938, chamaram-nos a atenção várias crianças cujo quadro difere tanto e tão peculiarmente de qualquer
outro tipo conhecido até o momento que cada caso merece - e espero que venha a receber com o tempo - uma
consideração detalhada de suas peculiaridades fascinantes" Leo Kanner, 1943.
Nas primeiras descrições do autismo,o fascínio se fez evidente. Aatitude indiferente das crianças
observadas, em situações próprias para a troca social, parece ter sido o motivo desse fascínio.
De fato, se pensarmos na importância que as trocas sociais têm na nossa vida, desde a infância, é
possível entender como as atitudes sistemáticas de indiferença ou alheamento em relação ao compartilhamento
social podem nos serintrigantes.
1.1. OS PRIMEIROS ESTUDOS: LEO KANNER
O termo autismo foi utilizado pela primeira vez em 1911, por Bleuler, para designar a perda de
contato com a realidade e conseqüente dificuldade ou impossibilidade de comunicação.
A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar
Transtornos Globais do Desenvolvimento
8
Marcos Seesp-Mec Fasciculo IX.qxd 16/11/2010 14:16 Page 8
Em 1943, o médicoaustríaco radicado nos Estados Unidos da América - Leo Kanner - observou
onze crianças que passaram por sua consulta e escreveu o artigo: "Os transtornos autistas do
contato afetivo" (1943).
Com base nos aspectos que chamaram sua atenção, podemos dizer que ele identifica como traço
fundamental do autismo a "incapacidade para relacionar-se normalmente com as pessoas e as situações"
(1943, p.20).
Vamos conhecer um pouco da descrição de Leo Kanner sobre o autismo:
As relações sociais e afetivas:
Desde o início há uma extrema solidão autista, algo que, na medida do possível, desconsidera, ignora
ou impede a entrada de tudo o que chega à criança de fora. O contato físico direto e os movimentos
ou ruídos que ameaçam romper a solidão são tratados como se não estivessem ali, ou, não...
tracking img