Austenita retida

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (973 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Martensita e Austenita Retida

Autor: George F. Vander Voort

Empresa: Struers Inc.

Site: www.buehler.com

Email: George.VanderVoort@buehler.com

Fonte: Industrial Heating -Edição 10/2010

O desenvolvimento da martensita é uma etapa crítica em muitos ciclos de tratamento térmico. Este artigo examina as condições sob as quais a austenita é retida e os problemas associados àsua presença, à sua detecção e à sua quantificação.

Dependendo da quantidade de carbono na fase mãe austenita, formam-se ripas de martensita (baixo carbono) ou agulhas de martensita (alto carbono),ou ainda, uma mistura das duas morfologias. Em geral, as ripas de martensita estão associadas com elevada tenacidade e ductilidade e baixa resistência mecânica, enquanto a estrutura de agulhas damartensita apresenta maior resistência mecânica embora seja frágil e não-dúctil.
Aumentar a quantidade de carbono na austenita também diminui as temperaturas de início da transformação da martensita(Ms) e a temperatura final de transformação da martensita (Mf), o que dificulta a transformação total de toda a austenita em martensita. Quando isto ocorre, temos austenita retida, cuja ocorrência podeser tanto extremamente danosa ou desejada dependendo das aplicações.

História
Há cerca de 100 anos, o tratamento térmico dos aços era certamente uma arte já que a ciência por trás dele estavasomente começando a ser entendida. O controle do tamanho de grão na cementação estava tornando-se possível com os trabalhos de McQuaid e Ehn. Eles descobriram que pequenas adições de alumínio manteriam opequeno tamanho de grão após longas exposições, geralmente de 8 a 10 horas na temperatura de cementação. Antes disso, estruturas de grãos grosseiros podiam ser observadas nas camadas cementadas o queiniciaria uma fratura frágil intergranular sob cargas mínimas.

Depois, Grossman e Bain desenvolveram a teoria de temperabilidade onde o diâmetro crítico ideal (DI) poderia ser calculado à...
tracking img