Aula-analise

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (407 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A inocência do homem moderno limita-o a enxergar o poder como algo único – como se fosse um só – e objeto exclusivamente político. Ao ser visto como objeto ideológico infere-se que ele está presenteem todos os mecanismos de intercâmbio social, ou seja, nos momentos em que há troca de informação entre indivíduos. O escritor, na hora de criar a sua obra, acredita que está livre da ideologia, queele irá criar as suas próprias regras. Ele acredita ser o mestre e não o escravo da língua. Mas como a ideologia está presente no seu dia a dia, tornando-se algo comum, que passa despercebido nosolhos do homem. Isso torna o escritor um escravo, sem ele mesmo perceber, pois se submete as exigências, normas, classes gramaticais da língua.
O discurso então nunca se verá livre do poder, pois éperpétuo no tempo, se consolidando durante toda a história. Dessa forma, compreende-se poder como linguagem ou, mais precisamente, como língua. 
A língua, por ser uma classificação, se torna altamenteopressiva, de modo que nos sujeita as suas regras e causa alienação. Ela está sempre a serviço de um poder, sendo por um lado assertiva, já que nos dá o poder da constatação e da indagação, e tambémgregária da repetição, tendo em vista que é formada por signos que só passam a fazer sentido quando são reconhecidos – que só acontece quando os mesmos são repetidos e agregados a um repertório.
Aliteratura é vista pelos os escritores um modo de representação do real. Mas isso não passa apenas de uma utopia. A literatura, que usa a linguagem para montar a sua estrutura, está presa a ideologiase opressões. Ela está presa aos padrões pré-determinados pelo mestre. A literatura é mais uma tentativa frustrada de quebrar com o estereotipo da língua. O único modo de tentar quebrar com essapressão é se afastando da linguagem, algo que ninguém conseguiu fazer.
Ao dizer que “sou ao mesmo tempo mestre e escravo da língua”, quero dizer que, ao mesmo tempo em que a opero, também estou submisso...
tracking img