Auguste comte resumo as etapas do pensamento sociológico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2511 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Auguste Comte, ao contrário de Montesquieu, é o sociólogo da unidade humana e social, da unidade da história humana. Tem dificuldade de redescobrir e fundamentar a diversidade, pois acreditava que só existia um tipo de sociedade e que toda humanidade deveria chegar a ela. Ele explica, justifica e afirma essa unidade humana por três teses, suas três obras principais.
A primeira é ‘’Opúsculos’’,onde descreve e interpreta o momento histórico no qual se encontra a sociedade europeia do século XIX, a sociedade do seu tempo. A sociedade medieval, com os teólogos e militares, está dando lugar à sociedade moderna com seus sábios (que tomam a função que era dos teólogos, a de transmitir base intelectual) e industriais (já que militares, homens de guerra, se faziam desnecessários, pois a guerraagora não era entre pessoas, e sim delas contra a natureza, querendo explorá-la ), respectivamente. É o surgimento de uma sociedade científica e industrial. Nessa mudança, a reforma social, foi também um reforma intelectual, o que deixou a sociedade em crise, que só seria resolvida com a óbvia supremacia do novo tipo de sociedade.
O segundo, ‘’Curso de Filosofia Positiva’’, aprofunda a ideia deque a sociedade europeia era o modelo para o resto do mundo, além de desenvolver e confirmar duas leis: a dos Três Estados e a classificação das ciências. Pela lei dos Três Estados, o espírito humano, deveria ter passados por 3 fases sucessivas: a explicação dos fenômenos, atribuindo-os a seres ou forças compatíveis à humana; invocação de atividades abstratas e a observação dos fenômenos e perceberse existirão ligações entre eles. Ou seja, não se importa com os fatos, e sim com o estabelecimento das leis que os governam. Entretanto, para essa lei ter sentido, tem que ocorrer em conjunto com a classificação das ciências, pois esta põe em ordem qual a inteligência se torna positiva nas matérias, e quanto mais simples estas forem, mais fácil será pensar positivamente, para criar a sociologia(sábia e reformadora), que admite a prioridade do todo sobre o elemento, da síntese sobre a análise e assim, tem a história da espécie humana como objeto de estudo. Essa nova ciência não admite liberdade de consciência (assim como as exatas não a permitem). Ela determina o que é, o que foi e o que será.
O terceiro, ‘’Sistema de Política Positiva’’, Comte diz que para que a história da humanidadeseja una, o homem possua uma natureza reconhecível e definível, que toda a sociedade comporte uma ordem essencial que seja possível reconhecer através da diversidade das organizações sociais e que esta natureza humana e social sejam as principais características transformação histórica delas possam ser deduzidas.
O novo fato que impressionou a todos no século XIX foi a indústria, que possuía 6características: se apoia na organização científica do trabalho, com a produção ordenada visando o maior rendimento; possibilitou o desenvolvimento dos recursos (devido à aplicação da ciência na organização do trabalho); surgimento das massas operárias; oposição entre empregados e empregadores; crises de superprodução, gerando pobreza no meio da abundância; menor intervenção do Estado na economiapara que as riquezas e a produção aumente mais rapidamente.
Acusava os economistas liberais de pensarem metafisicamente, abstratamente sobre o funcionamento do sistema, que separavam o econômico do social, o que na visão de Comte era um erro. Além de criticá-los por sobrestimarem a eficácia das trocas ou competições no desenvolvimento das riquezas. Esses (os economistas) afirmam que a longoprazo, os interesses privados se harmonizavam, se tornariam favoráveis a todos, diferentemente dos socialistas que acreditavam no caráter fundamental da luta de classes. Comte está com os primeiros, pois não achava que existia uma oposição entre o interesse de proletários e empresários e sim rivalidades temporárias em relação à repartição das riquezas. Na sociedade industrial, o que implica o acordo...
tracking img