Atps economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2365 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
São José dos Campos
Ciências Contábeis

Andre
RA: 22
Douglas Antonio do Amaral Rabello
RA: 1299180728
Patrícia Iost
RA: 5313971436
Priscila Wenceslau Leonel
RA: 5560122145
Vânia Peres de Jesus
RA: 5570133950

Sabonetes

O sabão foi inventado pelos fenícios, 600 anos antes de Cristo. Eles ferviam água com banha de cabra e cinzas de madeira e assim obtinham um sabão pastoso.O sabão sólido só surgiria no século VII, quando os árabes descobriram o processo de saponificação mistura de óleos naturais, gordura animal e soda cáustica, que depois de fervida endurece. Os espanhóis, tendo aprendido a lição com os árabes, acrescentaram óleo de oliva, para dar ao sabão um cheiro mais suave. Nos séculos XV e XVI várias cidades européias tornaram-se centros produtores de sabão,entre elas, Marselha (França) e Savona (Itália). Foi da cidade de Savona que os franceses tiraram a palavra Savon, sabão, e o diminutivo savonnette, sabonete.

Em 1972 o francês Nicolau Leblanc (químico), trabalhando em Paris, extraiu soda cáustica do sal de cozinha, facilitando assim o processo de saponificação das gorduras. Naquela época, obtinha-se carbonato de cálcio, ou soda cáustica, emdepósitos naturais e cinzas de plantas marinhas, mas sua produção era insuficiente. Por isso o processo de Leblanc, além de reduzir o custo da matéria-prima, tornou menos trabalhoso à fabricação de sabão e ácido sulfúrico, permitindo também o desenvolvimento da indústria do cloro e a redução no custo dos sabonetes, ocorrendo um aumento no consumo.

O setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticoscresceu 18 9% no País em 2011, com faturamento de R$ 43 bilhões, na comparação com 2010, segundo estudo do instituto Euromonitor divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). O Brasil se manteve como o terceiro maior mercado do setor, atrás dos Estados Unidos (1º) e do Japão (2º), e à frente da China. A participação global do Brasil nosegmento é de 10,1%.
A pesquisa prevê ainda que, até 2015, o setor registre um crescimento médio de 6,6% ao ano. Esse estudo nos dá sinais claros de que vamos continuar crescendo; vamos dobrar o mercado nos próximos cinco anos, outro destaque do estudo é que 70% do crescimento do faturamento do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos deverão vir da América Latina e da China até 2016.
Nosúltimos 12 meses, subiram apenas um pouquinho mais do que a inflação, estando virtualmente empatados: a variação foi de 6,01% nessa categoria, de agosto de 2011 a julho de 2012, para uma inflação média de 5,65% no período, de acordo com dados da Fundação Getúlio Vargas.

Em abril de 2012, na pesquisa de indicadores regionais, houve crescimento nos setores de: perfumaria, sabões, e produtos delimpesa (8,6%), também se destacando a produção de cremes de beleza, sabonetes e desodorantes.
Vários fatores contribuíram para esse crescimento, entre os quais são evidenciados na citada publicação:
- participação crescente da mulher no mercado de trabalho; - redução do custo da matéria-prima.
- lançamentos constantes de novosprodutos, atendendo de forma mais ampla as necessidades do consumidor;
- aumento da expectativa de vida da população, o que impacta nos cuidados com a saúde e com a estética para conservar uma impressão de juventude. – Proliferação do virus H1N1.
Por mais de 20 anos, a Colgate-Palmolive, dona da marca Protex, reinou absoluta no segmento de sabonetes antibacterianosno país, um negócio que vendeu perto de meio bilhão de reais no ano passado e se encontra em franca ascensão, principalmente depois do advento da gripe H1N1. Com medo de serem infectados pelo vírus A (H1N1), muitos brasileiros passaram a colocar Protex e gel antisséptico no carrinho. Por um determinado período, alguns pontos do país chegaram a sofrer com o desabastecimento. Muitos dos...
tracking img