Atividade fisica para tratamento diabetes tipo 2

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3394 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
I.Capítulo:




O Diabetes Melitus (DM) caracteriza um grupo de doenças metabólicas, que tem como fator determinante um quadro de hiperglicemia como conseqüência de uma secreção inadequada de insulina, ação ineficaz da mesma ou os dois fatores atuando juntos. É uma patologia que possui duas categorias gerais, que recebem a denominação tipo 1 e tipo 2 (Kahn e cols., 1997; Powers, 2001).A categoria designada como tipo 1, e anteriormente chamada de insulino-dependente (DMID), tem como fator desencadeante o fenótipo de hiperglicemia, a destruição auto-imune de células beta pancreáticas e como resposta a isso deficiência insulínica. Já o DM tipo 2, ou Diabetes Melitus não insulino-dependente (DMNID), possui um outro mecanismo desencadeante da hiperglicemia. Esse mecanismoapresenta-se através da resistência à insulina apresentada pela célula (principalmente células da musculatura estriada esquelética), podendo evoluir a uma insuficiência na secreção insulínica (Sociedade Brasileira de Diabetes, 2003).
Esse segundo grupo, DM tipo 2, representa cerca de 85% dos pacientes diabéticos em todo o mundo. Ele é caracterizado ainda, na maioria dos casos, por pacientesobesos ou pacientes que possuam grande concentração de massa gorda na região abdominal. Esse fator é somado ainda a um componente genético que parece ser determinante ainda que pouco conhecido. A obesidade somada ao fator genético amplifica ainda mais a característica de resistência insulínica, os adipócitos secretam produtos biológicos que são capazes de modular a secreção insulínica. A manifestaçãoda doença, nessa categoria, ocorre, predominantemente, na vida adulta, com maior concentração na população com mais de 45 anos (Alberti, 1997).
A obesidade do tipo masculina ou andróide, mais restrita ao tronco, apresenta uma relação muito mais intensa com a relação à insulina .
A insulina é um hormônio, produzido nas células beta das ilhotas pancreáticas, secretado pelo pâncreas que temcomo principal função regular o metabolismo da glicose em todos os tecidos, excluindo-se o cérebro. Atua como facilitador na difusão pela qual a glicose transporta-se para o interior da célula, aumentando assim a velocidade do processo e impedindo o armazenamento, excessivo da glicose sob a forma de glicogênio. Além disso, a insulina possui ainda, um importante efeito no metabolismo das gorduras.Á medida que os níveis de glicose aumentam, a insulina é liberada fazendo com que as células adiposas transformem a glicose em triglicerídeos. Dessa forma a secreção de insulina é diretamente controlada pelo nível de glicose no sangue que passa pelo pâncreas (Després e cols., 1995).
O mais importante efeito da insulina é o de promover o transporte da glicose para o interior de quase todas ascélulas do corpo, em especial, para as células musculares, gordurosas e hepáticas.
O efeito da insulina sobre o transporte da glicose é o de ativar o mecanismo de difusão facilitada, por onde a glicose se transporta para o interior da célula. Dentro do período de segundos a minutos após a combinação da insulina com a membrana celular, a intensidade da difusão de glicose para o interior dacélula aumenta quinze a vinte vezes, o que sugere uma ação direta da insulina, seja sobre a própria membrana celular ou sobre o sistema de transporte da glicose. O transporte da glicose para o interior das células hepáticas depende de mecanismo diferente. A membrana celular do fígado é tão permeável que a glicose pode, com toda facilidade, difundir-se nos dois sentidos, tanto para dentro quanto parafora das células. A presença de insulina nas células hepáticas promove o aprisionamento da glicose no interior das mesmas. Esse fato se deve a presença de enzimas como glicoquinase, que faz com que a glicose reaja com íon fosfato, e o glicogênio sintetase, que faz com que grande número de moléculas de glicose reaja entre si para formar glicogênio. Na falta de insulina, esse mecanismo de...
tracking img