Aspectos gerais do seguro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3844 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. INTRODUÇÃO

A longo dos tempos, o homem se vê ameaçado por incêndios, roubos e acidentes de toda a especie. Sua atenção está voltada para garantir sua vida, segurança a sua família e proteção ao seu patrimônio.
A origem do seguro se confunde, então, com a historia do próprio homem e sua necessidade de organizar-se em grupo para enfrentar as situações mais difíceis.
De acordo com art.757 do Novo Código Civil, o contrato de seguro é aquele pelo qual uma das partes (segurador) se obriga para com a outra (segurado), mediante o pagamento de um prêmio, a indenizá-lo de prejuízo decorrente de riscos futuros, previstos no contrato.
O seguro não é uma figura da sociedade moderna. Em nossa história podemos constatar a presença do seguro nas mais remotas civilizações.
Na Babilônia,por exemplo, os integrantes das caravanas que iriam atravessar o deserto uniam-se para garantir a substituição de camelos, caso alguém perdesse algum animal durante a viagem. As Corporações, na Idade Média, nada mais era que instituições de proteção econômica da coletividade. Mas só no ano de 1347 é que aparece, em Gênova, o primeiro contrato de seguro. E a primeira apólice surge na cidade de Pisa,em 1385.
O seguro no Brasil desenvolveu-se com a vinda da família Real Portuguesa e a abertura dos portos, em 1808, que intensificaram a navegação. A primeira empresa seguradora do país, a Companhia de Seguros Boa-Fé, surgiu no mesmo ano, com objetivo operar no seguro. O "Código Comercial Brasileiro" foi de fundamental importância para o desenvolvimento do seguro no Brasil, incentivando oaparecimento de inúmeras seguradoras.

2. HISTÓRIA DO SEGURO NO MUNDO

O homem sempre esteve preocupado com a estabilidade de sua existência. Por sofrer as consequências das variações climáticas e dos perigos da vida, desde a antiguidade procurava se organizar em grupos para ter mais força e garantir o sustento e a segurança. Com o tempo, a evolução das atividades comerciais mostrou a necessidadede proteção também contra os prejuízos financeiros. E foi dessa forma, justamente buscando garantir as finanças e diminuir a insegurança nas atividades cotidianas, que surgiu o seguro. O seguro nasceu da necessidade do homem em controlar o risco.
Pode-se dizer que a pratica da mutualidade, um dos fundamentos da atividade seguradora, é tão antiga quanto a civilização.
Há registros destamodalidade rudimentar de contrato de seguro firmado entre condutores de caravanas da Mesopotâmia 2.250 anos antes da era Cristã, para proteção contra a perda de burros usados no transporte, quando esses caíam vítimas de feras ou de ladrões. O foenus nauticus – empréstimo marítimo a risco – era praticado entre gregos, fenícios e romanos, e uma célebre Lex Rhodia de Jactu regulava, no Império Romano, oseguro marítimo para cargas lançadas ao mar em situação de perigo.
Na China Antiga e no Império Romano também havia seguros rudimentares, através de associações que visavam ressarcir membros que tivesse algum tipo de prejuízo.
Segundo o autor Larramendi (19997, p. 2), “os comerciantes chineses que se aventuravam a transportar as suas mercadorias instalando-as em débeis embarcações que desciampelas correntezas dos grandes rios continentais e que, para evitar a ruína de alguns deles, distribuíam-nas de modo a que cada barco contivesse uma parte de cada comerciante, estavam aplicando o principio básico do seguro. Se uma embarcação naufragava, a perda correspondia a uma pequena parte dos bens de cada um. O mesmo se pode dizer dos comerciantes árabes, que para cruzar os desertos e lugaresinóspitos distribuíam os seus bens entre várias caravanas e, dentro da mesma caravana, entre diversos camelos”
Na era cristã, aparece no Oriente Médio uma coletânea de sentenças e pareceres proferidos pelos rabinos. Trata-se de um dos Talmud (356/425 DC). Regulamenta com maior precisão uma das formas societárias adotadas para disciplinar a cobertura.
Os navegantes podiam convencionar que todos...
tracking img