As permanências do coronelismo e do voto de cabresto na política de cacimbas-pb

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS
FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

DÊIS MARIA LIMA CUNHA SILVA

AS PERMANÊNCIAS DO CORONELISMO E DO VOTO DE CABRESTO NAPOLÍTICA DE CACIMBAS-PB

PATOS-PB
2012
DÊIS MARIA LIMA CUNHA SILVA

AS PERMANÊNCIAS DO CORONELISMO E DO VOTO DE CABRESTO NA POLÍTICA DE CACIMBAS-PB

Projeto de Pesquisa apresentado a disciplina TCC(Trabalho de Conclusão de Curso), do Curso de Licenciatura Plena em História das Faculdades Integradas de Patos, em cumprimento às exigências para a aprovação na disciplina.

Orientadora: Profª. Ms.Rosemary Ramos Rodrigues

Patos-PB
2012

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 04
2 JUSTIFICATIVA 06
3 PROBLEMA E HIPÒTESE 07
4 OBJETIVOS 08
4.1 OBJETIVO GERAL 08
4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 085 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 09
6 METODOLOGIA 13
REFERÊNCIAS 14

1-INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por objetivo analisar as permanências do coronelismo, sistema, que alguns historiadoresafirmam ter surgido no Brasil Colônia e que se destacou com a proclamação da República, mas que em pleno século XXI e em um regime democrático ainda percebemos que o coronelismo está presenteprincipalmente nas cidades pequenas. Sendo assim, este será pesquisado e analisado na cidade de Cacimbas-PB.
Há uma discussão entre os historiadores sobre qual o momento da História a prática do Coronelismosurgiu. Podemos observar nos relatos de historiadores que esta prática vem ocorrendo em nosso país desde a colonização, outros mostram ainda que ocorre desde o Império e deu continuidade até a chamadaRepública das Oligarquias sendo que a mesma terminou com Revolução de 30, finalizando assim a República Velha. É aí que realmente observamos o Coronelismo e o voto de cabresto ser praticados sem omenor pudor. O termo coronelismo vem do título de coronel que a elite oligárquica adquiriu ao comandar a já extinta Guarda Nacional. Como só a elite agrária estava a frente da Guarda Nacional, sendo...