Artur azevedo e a identidade nacional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1848 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Revista Vernáculo, n. 21 e 22, 2008

ARTUR AZEVEDO E A IDENTIDADE NACIONAL BRASILEIRA NA PASSAGEM DO SÉCULO XIX PARA O XX Fernanda Cássia dos Santos Orientação: Andréa Doré
PALAVRAS-CHAVE: identidade nacional brasileira, teatro cômico, Artur Azevedo.

Preocupação constante por parte dos artistas e intelectuais brasileiros durante o século XIX, pensar a nacionalidade brasileira se constituiunuma necessidade real e da qual dependia a consolidação definitiva do Estado, pois uma unidade política, para existir, precisa de uma justificativa afetiva, o que só é conseguido através do estabelecimento de uma nação que em última instância se constitui, como afirma Eric Hobsbawm, num conjunto de tradições inventadas, e mais do que isso: a crença nelas. 1 No início do século XIX, buscou-se adefinição daquele que seria o mito fundador do Brasil e a partir do estabelecimento da República passou-se a buscar uma representação possível pra o homem brasileiro nas produções intelectuais, artísticas e literárias. Pode-se dizer que:
A partir da década de 1870, surge então um problema: a nação deve conhecer seu povo, porque o próprio princípio Republicano, que se espraiava pela sociedade,procurava instalar um governo e em nome do povo. Pensar a Identidade e a Nação significava também pensar o povo.2

A arte, de modo geral, era considerada naquele momento um recurso pedagógico empenhado em explicar o que era o povo e qual
HOBSBAWN, Eric, RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984, p.1. 2 SOUZA, Iara Lis Stto Carvalho. Sobre o tipo popular – imagens do(s) brasileiro (s) na virada do século. In: SEIXAS, Jacy, BRESCIANI, Maria Stella e BREPOHL, Marion (orgs). Razão e Paixão na Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002. p. 115. 225
1

Revista Vernáculo, n. 21 e 22, 2008

a natureza do momento histórico em que esse povo vivia. Nesse contexto, homens de letras, assim como Artur Azevedo, dedicaramse a conhecer a nação e opróprio povo brasileiro, a fim de poder desvendá-lo, diagnosticando e projetando um futuro para a nação, que em si mesma, era vista como algo que ainda estava por vir. Artur Azevedo foi o principal autor vinculado ao teatro no período. Nascido em São Luís, no Maranhão em 1855, mudou-se para o Rio de Janeiro em 1875, depois de ter perdido o emprego de amanuense (copista de textos à mão) por ter escritouma série de poemas satíricos sobre as pessoas de São Luis. Viveu no Rio de Janeiro até a sua morte em 1908, tendo se dedicado intensamente ao teatro. Ao longo de sua carreira, escreveu inúmeras peças distribuídas dentre os mais diversos gêneros, alcançando sucesso por suas comédias de costumes e revistas de ano. Escreveu, ainda, para a imprensa, tendo diversas crônicas e textos de crítica teatralpublicados em diferentes jornais especialmente no A Notícia, no qual trabalhou por muitos anos. Na academia brasileira de letras, ocupou a cadeira de número vinte e nove, que tem como fundador Martins Pena. Para falar a respeito de Artur Azevedo é preciso compreender um pouco da situação das artes teatrais na virada do século XIX para o XX. Se na visão da crítica os autores vinculados àliteratura foram capazes de escrever algo significativo a respeito da identidade nacional brasileira no período do Romantismo, uma vez que se produziu uma primeira imagem do que seria o brasileiro, o teatro não obteve o mesmo sucesso. Não houve um movimento coeso que se pudesse intitular romântico e tampouco que fosse capaz de conciliar a estrutura estética desejável com uma temática de cunho nacional.3 Emdecorrência disto, a crítica teatral em inúmeras oportunidades demonstrou o seu desagrado diante da situação do teatro brasileiro de então. Efetivamente, no entanto, apenas a comédia de costumes mostrou-se capaz de trazer elementos de brasilidade da forma como
FARIA, João Roberto. Idéias Teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2001. p. 78. 226
3

Revista Vernáculo, n. 21...
tracking img