Artigo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6254 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Braz J Otorhinolaryngol. 2010;76(2):164-71.

ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE

Estudo da audição em crianças com fissura labiopalatina nãosindrômica
Maria Isabel Ramos do Amaral 1, José Eduardo Martins 2, Maria Francisca Colella dos Santos 3

A study on the hearing of children with non-syndromic cleft palate/lip
Palavras-chave: fissura palatina, otite média, perda auditiva. Keywords:cleft palate, otitis media, hearing loss.

Resumo / Summary

C

rianças com fissura labiopalatina apresentam frequentemente otite média, em decorrência de alterações anatômicas e/ ou funcionais da tuba auditiva. Objetivo: Analisar o desempenho de crianças fissuradas na Avaliação Audiológica Básica (AAB) e Triagem do Processamento Auditivo (TPA). Forma do Estudo: Corte transversal prospectivo.Material e Métodos: Foram avaliadas 44 crianças, do sexo masculino e feminino, na faixa etária de 8 a 14 anos, portadores de fissura labiopalatina não-sindrômica encaminhadas pela Instituição onde a pesquisa foi realizada. A AAB foi composta pela anamnese, otoscopia, audiometria tonal liminar, logoaudiometria e imitanciometria. A TPA foi composta pelos testes de Localização Sonora em Cinco Direções,Memória Sequencial para sons verbais e não-verbais e Teste Dicótico de Dígitos. Resultados: Na AAB verificamos que 77,27% das crianças apresentaram resultados normais na audiometria tonal liminar, 13,6% apresentaram perda auditiva condutiva e 2,2% apresentou perda mista. 21,2% apresentaram curva timpanométrica tipo C, 7,1% curva tipo B e 3,5% curva tipo Ad. A TPA esteve alterada em 72,7% dascrianças, sendo que 45,5% apresentaram alteração no Teste Dicótico de Dígitos. Conclusão: As crianças fissuradas tiveram desempenho alterado tanto na AAB quanto nos testes da TPA, o que justifica a avaliação e o acompanhamento fonoaudiológico e otorrinolaringológico nestes casos.

C

hildren with cleft lip/palate often present otitis media as a result of anatomic and/or functional alterations ofthe Eustachian tube. Aim: to analyze the results of Basic Audiologic Evaluation (BAE) and Auditory Processing Screening (APS) in children with cleft lip/palate. Study design: prospective cross-sectional cohort. Materials and methods: Forty-four male and female children, within the 8 to 14 age range with non-syndromic cleft lip/palate, referred by the institution where the study was carried out. TheBAE was made up by an interview, otoscopy, threshold tonal audiometry, logoaudiometry and impedance test. The APS was made up of 3 basic tests: Sound Localization Test, Sequential Memory for verbal and non-verbal sounds and Dichotic Listening Test. Results: The BAE revealed that 77.27% of the children presented normal hearing; 13.6% had conductive hearing loss and 2.2% presented mixed hearingloss. 21.2% of the children had type C tympanometry curve; 7.1% had a type B curve and 3.5% had an Ad curve. The APS was altered in 72.7% of the children and 45.5% of them presented altered results on the Dichotic Listening Test. Conclusion: children with cleft lip/palate had altered results on BAE and APS, which justifies audiological and medical follow-up.

3

1 Fonoaudióloga, Mestranda emSaúde da Criança e do Adolescente pelo Centro de Investigação em Pediatria/CIPED/FCM/UNICAMP. Otorrinolaringologista, Médico do Setor de Otologia - Implante Coclear da Disciplina de Otorrinolaringologia/Cabeça e Pescoço da UNICAMP. Fonoaudióloga. Doutora em Ciências dos Distúrbios da Comunicação Humana pela UNIFESP/EPM, Docente e Coordenadora do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicasda UNICAMP. Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da BJORL em 11 de junho de 2009. cod. 6442 Artigo aceito em 19 de outubro de 2009. 2

Brazilian Journal of otorhinolaryngology 76 (2) Março/aBril 2010 http://www.bjorl.org.br / e-mail: revista@aborlccf.org.br

164

INTRODUÇÃO A audição é o principal elo de ligação do ser humano com o meio ambiente. Para que a...
tracking img