Arranjos familiares

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2076 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
CURSO SERVIÇO SOCIAL

OS NOVOS ARRANJOS FAMILIARES

2011

[pic]

OS NOVOS ARRANJOS FAMILIARES

Trabalho apresentado ao Curso Serviço Social da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina de Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do Serviço Social llOrientadores: Prof. Adarly Rosana, lineia Rampazzo, Márcia Bastos e Sergio Goes.

2011

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO 4

3 CONCLUSÃO 9

4 DADOS LEVANTADOS NA PESQUISA................................................................10

REFERÊNCIAL BIBLIOGRÁFICO 11

1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho pretende abordar as diversas configurações familiares destacando asmonoparentais e suas vulnerabilidades sociais.
Família monoparental lares com apenas um dos pais, para dar um caráter de formalidade a este novo "modelo de família", que seria tão válido como a "família tradicional. O fato de serem monoparentais e estar sob a responsabilidade de um só pai supõe, por si só, um dificuldade estrutural, que faz mais difícil superar os problemas da educação dos filhos,da economia familiar e da conciliação entre trabalho e a atenção ao lar.
A família é considerada a mais importante de todos os grupos sociais, pois é através dela que aprendemos a perceber o mundo e a nos situarmos nele, é a formadora de nossa de nossa entidade social, a base do processo da socialização.

2 DESENVOLVIMENTO

As expectativas em relação à família estão, no imaginário coletivo,ainda impregnadas de idealizações, das quais a chamada família nuclear. A maior expectativa é de que ela produza cuidados, proteção, aprendizado dos afetos, construção de identidades e vínculos relacionais de pertencimento , capaz de promover melhor qualidade de vida e seus membros e efetiva inclusão social na comunidade e sociedade em que vivem, é importante observar que a família retoma um lugarde destaque na política social. Outra questão fundamental é entender que a valorização da família não pode significar um recuo de proteção social destinada pelo estado. Uma pesquisa feita no município de Alta Floresta, o número de famílias beneficiárias do programa bolsa família é um número estimado de 3.460, famílias. Alta Floresta, das 3.460 famílias beneficiadas, o município atingiu 100% dameta, mais de 20% no acompanhamento da Saúde das famílias beneficiadas pela Bolsa Família, que são a vacinação e exame de crianças com até sete anos, pré-natal e consultas pós-parto das gestantes, e a participação em atividades desenvolvidas pelas equipes de saúde local, e não perderão os recursos do Índice de Gestão Descentralizada (IGD).  A grande quantidade de lares classificado como"monoparentais" também causou surpresa, conta . No Brasil, 5,49 milhões de domicílios são chefiados por apenas um adulto (o pai ou a mãe).  Este baixo poder de consumo é evidenciado na análise da importância das categorias de produto dentro dos ciclos. Os "monoparentais" representam 18% do total de lares, mas apenas 15% do consumo de refrigerantes, por exemplo. Um domicílio com pai, mãe e adolescentes (13 a 17anos) corresponde a 10% do total de lares mas é responsável pela compra de 13% da categoria refrigerantes. O reconhecimento e a garantia de direitos sociais, embora fruto de indiscutível avanço da civilização, acabaram acontecendo dentro da lógica individualista e fragmentada hegemônica na sociedade: direitos de indivíduos isolados e direitos setorizados. O indivíduo foi fragmentado em carência.Os direitos passaram a ser consumidos e fornecidos de forma separada. Neste contexto de individualismo, existe um espantoso crescimento da importância do discurso centrado na subjetividade como explicador dos problemas sociais.
A percepção da fragmentação das políticas sociais vem propiciando o surgimento de propostas e tentativas de integração das várias ações estatais no campo social. Com...
tracking img