Aparelho faringeo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3591 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
APARELHO FARINGEO

CONCEITOS
Arcos faríngeos Bolsas faríngeas Sulcos faríngeos Membranas faríngeas Desenvolvimento da tireóide Desenvolvimento da língua Desenvolvimento das glândulas salivares Desenvolvimento da face Desenvolvimento das cavidades nasais Desenvolvimento do palato Anomalias da cabeça e pescoço

O aparelho faríngeo é constituído por: Arcos faríngeos Bolsas faríngeas Sulcosfaríngeos Membranas faríngeas

 

Essas estruturas embrionárias contribuem para a formação da cabeça e do pescoço A maioria das anomalias congênitas destas regiões origina-se durante a formação do aparelho faríngeo em seus derivados adultos

Arcos faríngeos
 







O primeiro arco faríngeo(arco mandibular) forma 2 saliências: A menor, a saliência maxilar, que origina amaxila, o osso zigomático e a porção escamosa do osso temporal A maior, a saliência mandibular, forma a mandíbula O segundo arco faríngeo (arco hióide) contribui em muito para a formação do osso hióide A boca primitiva ou estomodeu aparece inicialmente como uma pequena depressão do ectoderma superficial Ela está separada da cavidade da membrana da faringe primitiva por uma membrana bilaminar- amembrana bucofaríngea

Arcos faríngeos




 

Os arcos faríngeos começam a se desenvolver no início da quarta semana, quando as células da crista neural migram de segmentos específicos do rombencéfalo para as futuras regiões do pescoço e cabeça O primeiro par de arcos faríngeos aparece como elevações superficiais laterais à faringe em desenvolvimento Ao final da quarta semana quatro paresde arcos faríngeos são visíveis O quinto e o sexto arcos são rudimentares e não são visíveis na superfície do embrião

Arcos faríngeos




 

Os arcos faríngeos começam a se desenvolver no início da quarta semana, quando as células da crista neural migram de segmentos específicos do rombencéfalo para as futuras regiões do pescoço e cabeça O primeiro par de arcos faríngeos aparececomo elevações superficiais laterais à faringe em desenvolvimento Ao final da quarta semana quatro pares de arcos faríngeos são visíveis O quinto e o sexto arcos são rudimentares e não são visíveis na superfície do embrião

Arcos faríngeos




 

Os arcos faríngeos começam a se desenvolver no início da quarta semana, quando as células da crista neural migram de segmentos específicos dorombencéfalo para as futuras regiões do pescoço e cabeça O primeiro par de arcos faríngeos aparece como elevações superficiais laterais à faringe em desenvolvimento Ao final da quarta semana quatro pares de arcos faríngeos são visíveis O quinto e o sexto arcos são rudimentares e não são visíveis na superfície do embrião

Bolsas faríngeas
 




São divertículos semelhantes a balões eponto até onde o endoderma da faringe se estende Estes pares de bolsas se desenvolvem numa sequência cefalocaudal entre os arcos Quatro pares de bolsas faríngeas são bem definidas; o quinto par é ausente ou rudimentar O revestimento epitelial endodérmico das bolsas faríngeas dá origem a órgãos importantes da cabeça e do pescoço, como o timo e as paratireóides

Primeira bolsa faríngea
 



A primeira bolsa faríngea origina o recesso tubotimpânico A porção distal deste recesso entra em contato com o primeiro sulco faríngeo, onde mais tarde contribui para a formação da membrana timpânica(tímpano) A cavidade do recesso dá origem à cavidade timpânica e ao antro mastóideo. A conexão do recesso tubotimpânico com a faringe forma a tuba faringotimpânica (tuba auditiva)

Segundabolsa faríngea
   




A segunda bolsa faríngea é em grande parte obliterada quando a tonsila palatina se desenvolve Parte desta bolsa permanece como seio ou fossa tonsilar O endoderma da segunda bolsa prolifera e cresce penetrando no mesênquima subjacente A parte central destes brotos se fragmenta, formando criptas (impressões digitiformes) O endoderma forma o epitélio superficial e...
tracking img