Antropologia - identidades

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1938 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A IDENTIDADE: ESSENCIALISMO E CONSTRUTIVISMO.

- A identidade como identidade pessoa (identificação)l, inicialmente começa a ser uma área da Psicologia.

- Só a partir dos anos 70/80, é que a Antropologia e a Sociologia adquirem o tema da Identidade como um dos mais importantes. Aos anos 80 o conceito de identidade era ainda um tema muito complexo.

Ex: O nosso BI/ Cartão do cidadão – quenos define como cidadãos Portugueses, em primeira instancia, que contém a nossa identificação – a nossa impressão digital – a nossa cor de olhos – altura etc.

- Todos eles são factores identitários fazem parte da formação da nossa identidade.



- Mas o que verdadeiramente interessa à Antropólogia política, é a Identidade Colectiva.





IDENTIDADE COLECTIVA

É um dos temaspreferenciais da Antropologia.

- Este conceito começa a ser compreendido melhor a partir dos anos 80. Daí se começa a teorizar o factor da Pertença de cada pessoa a vários grupos.

- Significa que nós em simultâneo temos pertenças muito diversificadas no nosso quotidiano, as quais traduzem dimensões de identidade variadas. A nossa dimensão é a nossa configuração de identidade com váriosgrupos.

- Podemos dizer que a nossa identidade é constituída por variadíssimas partes que estão inter-relacionadas.

As identidades não são cristalizadas: isto é alteram-se ao longo do tempo, tendo em conta o seu quadro de relações e a sua experiencia de vida.

- A tal Pertença a vários grupos, que acabei de referir à pouco, implica que se tenham que relacionar uns com os outro. Estaconstatação fez com que muitos cientistas estudassem este tema.


Relação entre:

NÓS……………………………OUTROS

SEMELHANÇA……………. DIFERENÇA

INCLUSÃO………………… EXCLUSÃO





DEFINIÇÃO DE IDENTIDADE COLECTIVA





- Relação entre NÓS E OS OUTROS: Para Nós nos definirmos uns com os outros, estamos a assumir que existem outros e nos definimos como membro de um grupo. (falar de nós mas conceber aexistência de outros)



- Relação entre a SEMELHANÇA E A DIFERENÇA: Quando falamos em identidade Portuguesa todos nós somos semelhantes, pois pertencemos a esta identidade, somos Portugueses.- Quando falamos em diferença – Por exemplo no que diz respeito à igualdade de género Homem e Mulher – são considerados dois grupos distintos.



- Relação entre INCLUSÃO E EXCLUSÃO: Quando falamosde identidade e falamos de nós próprios estamos a incluirmo-nos, como agentes dessa identidade.

- Quando falamos de nós próprios e em simultâneo da etnia cigana, estamos a excluí-los derivado à sua configuração étnica, com cultura e identidade diferentes da nossa.

Exemplo a etnia cigana, são portugueses, mas têm uma configuração étnica tão especifica que os colocam de parte.



- Apartir de 1989, com a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra fria - À uma necessidade de se estudar a INCLUSÃO E A EXCLUSÃO, através das Políticas de Integração.

Ex: Estudo efectuado sobre a vinda de emigrantes do Leste – Quando nos anos de 90/91, começaram a chegar os primeiros emigrantes, derivado ao fim da guerra fria e da Queda do Muro de Berlim, houve necessidade de se adoptar estasPolíticas de Integração.

- E é a partir dos anos 90, que os cientistas sociais, começam a concentrar-se de uma forma mais profunda nas questões do estudo das identidades.



INTERESSE DA ANTROPOLOGIA SOBRE A IDENTIDADE

- A antropologia como ciência social não podia deixar de dar o seu contributo no estudo das identidades e começa a estudar a IDENTIDADE COLECTIVA.

- Numa 1.º fase:focaliza-se na Identidade Colectiva do GÉNERO – o facto de ser homem ou ser mulher tem as suas diferenças, e a forma como o género condiciona as questões do quotidiano, sendo uma questão de relativismo cultural. Os Antropologos questionam-se: Como é que o género condiciona a forma de resolver as vida?; Qual é o peso que a cultura tem pelo facto de ser homem ou mulher?; porque aprendemos a ser...
tracking img