Antropologia filosófica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (448 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA
NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – UEMANET
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE BACABAL – CESB
CURSO DE FILOSOFIA
ALUNO: CONFÚCIO JOSÉ PINTO E REISCÓDIGO: 09FILBA211
DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA

ATIVIDADE – UNIDADE 2

A antropologia filosófica tem como objeto de estudo o ser humano. Sabemos que o homem é um ser dotado ecapaz de pensar, analisar, refletir, discutir, descobrir, executar ações. Sendo assim, todos os seres humanos se diferenciam uns dos outros. O homem é um mistério e paradoxo, encarnado limite e semlimite, erro e verdade, tempo e eternidade. Uma vez que o homem está sentindo certo vazio por dentro e para a frente, tem-se a necessidade de conhecer-se. Através dos tempos, o homem está envolvido emcontradições: miséria e maravilha. É um ente tão vasto, variado e de várias formas que qualquer definição se mostra demasiado limitado. Para conhecer o homem requer-se que caiam os ídolos interiores paraabrir a capacidade de auto-transcendência e voltar à consciência daquilo que foi reprimido nos depósitos do não-usado porque se achava inútil ou não útil imediatamente. Há experiências existenciaisem momentos de grande ameaça, como a morte de pessoas caras. Só o significado último decide o valor da essência em relação ao quem é o homem.
Na filosofia o homem é o objeto de suapergunta e olha a realidade com uma intencionalidade. A antropologia como reflexão do homem sobre o homem a fazemos cada dia e a enriquecemos com nossos pensamentos tácitos ou comunicados. Cada um possuialgum traço de antropologia de base, tem sua filosofia de vida, e cada filosofia de vida se concentra ao redor de uma antropologia implícita ou articulada. Num sentido amplo, a antropologia se move naárea fenomênica, que considera o dado objectual: o homem como, quanto e quando; e na área da antropologia filosófica: o homem como presença sujeitual na ótica radical da auto-pergunta: quem é....
tracking img