Antigo testamento ii – o livro dos reis.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3151 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho
De
Teologia

Faculdade Teológica
Recife, 30 de Junho de 2012.
Aluno:
Prof.:
Curso: Bacharel em Teologia
Assunto: Antigo Testamento II – O livro dos Reis.



A divisão do Reino de Israel (1 Reis/Caps. 12-22)
A divisão entre os livros de Samuel e Reis não é clara e a divisão ocorreu na tradução do Antigo Testamento em grego (Septuaginta) para queos registros não ficassem tão grandes.
 Em Reis fica evidente a apostasia do povo hebreu com o consequente julgamento de Javé.
 O livro dos Reis registra a história política de Israel no período da monarquia unida (que começa em torno de 970 a.C.), atravessa a deportação do Reino do Norte, Israel, pela Assíria em 722 a.C., até o exílio para a Babilônia em 586 a.C.
 
Na história do reinodividido o Reino do Norte, Israel, era politicamente mais instável que o Reino do Sul, Judá. Alguns fatores comprovam isso:
 
* Duração mais curta que o Reino do Sul, apenas 209 anos.
* A violência sempre precedeu a sucessão real.
* Todos os dezenove reis são considerados maus pelo autor de Reis, pois são acusados de prestarem culto ao bezerro de ouro de Jeroboão.
* A duração média deum reinado era de 10 anos
* Nove famílias diferentes reivindicaram o trono de Israel
 
O Reino do Sul, Judá, ainda sobreviveu por mais um século e meio, chegando a 345 anos de existência, e abaixo estão relacionadas suas principais características:
 
* A média de duração do governo de um rei foi de dezessete anos.
* A família de Davi foi a única a reivindicar o trono de Jerusalém,gerando estabilidade política.
* O reinado da rainha Atalia (2 Reis 11) foi a única interrupção da sucessão davídica no trono de Judá.
* Dos dezenove reis de Judá, oito são classificados como bons pelo autor de Reis.
 
Dois fatos históricos importantes estão registrados no livro dos Reis:
 
* Nomeação por Nabucodonosor de Gedalias para o governo de Judá (596 a.C.), e seu assassinato(582 a.C.) – 2 Rs. 25:22-26
* Libertação do rei Joaquim da Babilônia após a morte de Nabucodonosor (562 a.C. ou 561 a.C.) – 2 Rs. 25:27-30
 
Em relação à autoria do livro dos Reis, a tradição hebraica atribui ao profeta Jeremias devido às semelhanças entre os relatos de 2 Reis 24 e 25 e Jeremias 52. Além disso, o livro de Reis dá bastante destaque ao papel dos profetas no Antigo Testamento,contudo, analisando-se o propósito, contexto e conteúdo teológico não há evidência suficiente para comprovar esta tese.
 
Para a produção da história da aliança no livro dos Reis, o autor utilizou ao menos 3 fontes primárias que estão citadas por todo o livro:
 
* Registros históricos de Salomão (1 Rs. 11:41)
* Registros históricos dos reis de Israel (1 Rs. 14:19)
* Registroshistóricos dos reis de Judá (1 Rs. 15:23)
 
Estes documentos provavelmente fazem parte do acervo produzido pelos escribas reais conforme descritos em 2 Sm. 8:16; 20:24-25.
 
Alguns eruditos ainda acreditam que haja outras fontes para a compilação do livro dos Reis, tais como:
 
* As histórias da sucessão de Davi (2 Sm. 9 a 20)
* A dinastia de Acabe (1 Rs. 16 a 2 Rs. 2)
* O desenvolvimentoprofético na era Elias-Eliseu (1 Rs. 17 – 19:21 e 2 Rs. 1 a 13)
* O profeta Isaías (Isaías 36 a 39 é praticamente idêntico a 2 Rs. 18:13 a 20:19)
* Os profetas considerados “não literários” (Ex: Aías 1 Rs. 11:29-33; 14:1-16 e Micaías 1 Rs. 22:13-28)
 
Dadas as evidências histórico-sociais não é errado supor que o livro de Reis tenha sido produzido por volta de 550 a.C. Não é possívelter certeza de que o autor tenha sido algum profeta, mas podemos aferir que ele tinha um amplo conhecimento sobre o teor da aliança entre Javé e Israel, e suas consequências na história.

A tabela abaixo representa o drama religioso vivido nessa época em Israel.
 
Baal (deus cananeu da tempestade) | Javé (Deus de Elias e Eliseu) |
Baal, deus da tempestade, controla a chuva | Elias anuncia...
tracking img