Animais peconhentos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2438 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Acidentes por Animais PeçonhentosACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS
Alcidéa Rêgo Bentes de Souza
Antônio Magela Tavares
Paulo F.Bührnheim (In Memoriam)
“Perguntou o Senhor Deus à mulher: Que é isto que fizeste? Respondeu a mulher: A
serpente enganou-me e eu comi. Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto
fizeste isso, maldita serás tu dentre todos os animais domésticos e dentretodos
os animais de campo; sobre o teu ventre andarás e pó comerás todos os dias da
tua vida. Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a
sua descendência; esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”.
Gênesis 3: 13-15
INTRODUÇÃO
Os acidentes por serpentes são os mais observados na Região Amazônica. A
identificação da serpente causadora do acidenteofídico pode ser muito
importante para orientar a conduta médica e a prescrição do soro mais
conveniente.
Se a serpente trazida pelo acidentado tiver um orifício entre os olhos e a
fossa nasal, a denominada fosseta loreal, trata-se de uma serpente peçonhenta.
As duas serpentes mais freqüentemente encontradas em nosso meio são dos
gêneros:
Bothrops sp.: conhecida popularmentecomo surucucurana, jararaca ou surucucu.
Causam a maioria dos acidentes na Amazônia e também na região de Manaus e
municípios vizinhos. Os triângulos do padrão do colorido do corpo destas
serpentes têm o vértice voltado para cima.
Lachesis sp.: uma só espécie é conhecida e é popularmente chamada de surucucu
ou surucucu-pico-de-jaca. São de hábitos umbrófilos e raramente seafastam
muito da mata. Os desenhos triangulares do corpo destas serpentes têm o
vértice voltado para baixo.
Se a serpente tiver padrão de colorido em anéis transversais pretos, vermelhos
e/ou brancos, pode tratar-se de uma coral peçonhenta, do gênero Micrurus
(elapídeo), com várias espécies (quatro em Manaus), mas raramente causando
acidente ofídico na Região Amazônica.
Se aserpente trazida pelo acidentado não apresentar padrão de colorido em
faixas transversais pretas, vermelhas e/ou brancas, nem tiver fosseta loreal,
trata-se de animal não perigoso para o homem em termos de peçonha.
DIAGNÓSTICO CLÍNICO
ACIDENTE BOTRÓPICO: o veneno botrópico tem ação proteolítica, coagulante e
hemorrágica e os acidentes podem ser classificados em:
ACIDENTES LEVES: edemadiscreto (peri-picada) ou ausente e manifestações
hemorrágicas leves ou ausentes. TC normal ou alterado.
ACIDENTES MODERADOS: edema evidente e manifestações hemorrágicas discretas à
distância (gengivorragia, epistaxe). TC normal ou alterado.
ACIDENTES GRAVES: edema intenso ou muito extenso e manifestações sistêmicas
como hemorragia franca, choque ou anúria. TC normal oualterado.
Os acidentes botrópicos são os mais freqüentes em todo o Brasil (80 a 90%) e em
40% das vezes levam a complicações no local da picada.
ACIDENTE LAQUÉTICO: o veneno laquético tem ação proteolítica, coagulante,
hemorrágica e neurológica (vagal) e os acidentes (pequeno número de acidentes
realmente documentados) podem ser classificados em:
ACIDENTES LEVES: edema discreto(peri-picada) ou ausente e manifestações
hemorrágicas leves ou ausentes. Ausência de manifestações vagais. TC normal ou
alterado.
ACIDENTES MODERADOS: edema evidente e manifestações hemorrágicas discretas à
distância (gengivorragia, epistaxe). Ausência de manifestações vagais. TC
normal ou alterado.
ACIDENTES GRAVES: edema intenso e manifestações sistêmicas como hemorragiafranca. Presença de manifestações vagais (diarréia, bradicardia, hipotensão ou
choque). TC normal ou alterado.
ACIDENTE ELAPÍDICO: todo acidente causado pelo gênero Micrurus (coral
verdadeira) é considerado potencialmente grave (acidente elapídico). As
manifestações clínicas suspeitas são: dor local discreta, algumas vezes com
parestesia, vômitos, fraqueza muscular, ptose palpebral,...
tracking img