Andrologico bovino

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1295 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Exame Clínico Andrológico
Pesquisas revelam que mais de 50% dos touros utilizados para monta natural, possuem algum problema de fertilidade. As principais causas desta fertilidade reduzida ou mesmo da infertilidade estão apresentadas na Tabela 1.
Por isso, alertamos a todos os pecuaristas a necessidade de realização de exames clínicos, sanitários e andrológicos, pelo menos uma vez por ano,antecipando a entrada dos mesmos na reprodução.
Estes exames, além de prevenir baixa fertilidade no rebanho, imprime melhor seleção genética e consequentemente, lucratividade.
Tabela 1.
Principais causas de fertilidade reduzida ou infertilidade identificados em touros usados em rebanhos, no Brasil.
Causa
Freqüência (%)
Degeneração testicular

21,5
 


Imaturidade sexual

11,9
 Maturidade sexual retardada

3,5



Hipoplasia testicular

3,5



Espermiogênese imperfeita

2,9



Espermatocistite

2,7



Disfunção do epidídimo

2,1
Fonte: Vale Filho et al. (1978).
Para o exame clínico andrológico ser completo, deve-se seguir o seguinte roteiro:
Identificação:
proprietário; propriedade.
Animal: nome, raça, idade, sistema de alimentação e criação,origem, regime de estação de monta.
Exame Clínico:
1. Histórico e anamnese - motivo da realização do exame; ocorrências; estado nutricional, corporal e sanitário;
2. Geral – peso; sistema respiratório, circulatório, digestivo e locomotor do animal.
3. Sistema genital – avaliados através de palpação: cordões espermáticos, o escroto, os testículos, os epidídimos, o prepúcio, o pênis e agenitália interna.


Circunferência escrotal
É realizado durante a realização do exame andrológico. O tamanho dos testículos está diretamente relacionado com a capacidade de produção espermática e existe correlação genética negativa entre a circunferência escrotal de touros ainda jovens e a idade à puberdade de suas meias-irmãs. Touros com testículos mais desenvolvidos apresentam maior volumee maior concentração espermáticos no ejaculado, podendo servir a maior número de fêmeas ou produzir maior número de doses de sêmen, quando em rotina de coleta.
EXAMES IMEDIATOS
1) ANÁLISE MACROSCÓPICA
Imediatamente após a colheita do sêmen, este deve ir a banho-maria sob temperatura de 37ºC.
Características a serem analisadas:
a) Volume - Colheita em tubo graduado - Touro apresentaaproximadamente 5 ml de volume de ejaculado.
b) Coloração - Branca ou amarelado
c) Odor – Odor característico – "sui generis" que provém do fosfato de espermina.
d) Movimento de massa - Na prática classifica-se como presente ou ausente.
e) Densidade - Está relacionada com a quantidade de espermatozóides presentes.
f) pH - O pH ideal de touros varia de 6,5 – 6,9



 
2) ANÁLISE MICROSCÓPICA
a)Turbilhonamento - É o exame de movimento de massa observado ao microscópio.
Coloca-se uma gota de sêmen em uma lâmina aquecida a 37ºC e leva-se ao microscópio sobre uma placa aquecida, observa-se em aumento de 100X. Observa-se a borda da gota. O movimento de onda é classificado em escala de 0 a 5.

O
parado, células mortas
0% de
esperm. com movimento
1
motilidade
péssima
20 a 01% deespermat. com movimento
2
motilidade
fraca
40 a 20% de espermatozóides com movimento
3
motilidade normal
60 a 40% de espermatozóides com movimento
4
motilidade
elevada
80 a 60 % de espermatozóides com movimento
5
motilidade
alta
(relac. aumento concent)
100 a 80% de espermat. com movimento
b) Vigor – Deve ser avaliado na mesma lâmina da motilidade
É definido através da propulsão doespermatozóide, ou seja pela velocidade do espermatozóide. Deve ser observado em aumento de 200X e classificado em escala de 0 a 5.
O = espermatozóides mortos – não sai do lugar
1 = moribundos – péssimo
2 = Muito lentos – ruim
3,4,5 – Bons
c) Densidade - Observada no microscópio colocando-se uma gota de esperma sobre uma lâmina. A classificação é a seguinte:
• Denso ou muito denso - não há...
tracking img