Andreia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1238 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de julho de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto










Índice

Introdução………………………………………………………………………………………………………………………pág.3
Salazarismo……………………………………………………………………………………………………………………..pág.4
Portugal e a ditadura salazarista……………………………………………………………………………………..pág.5
Características da ditadura salazarista……………………………………………………………………………..pág.6
Conclusão …………………………………………………………………………………………………………………………pág.8Bibliografia………………………………………………………………………………………………………………………..pág.9



















INTRODUÇAO

Neste trabalho iremos falar sobre a ditadura salazarista, desde que começou até ao seu final.
O Estado Novo ou a ditadura salazarista, é um regime politico autoritário, em que o poder legislativo, executivo e judicial estão concentrados no chefe do governo.
É também chamado de salazarismo devido ao período que Salazar governou Portugal(1933-1968).
Este regime autoritário permaneceu durante 41 anos em Portugal, que foi desde que Salazar subiu ao poder (1933) até a sua saída (1968).






















SALAZARISMO
Em 1926 foi implantado em Portugal um regime de ditadura militar, movimento que teve por figura principal Salazar. Este tomou de imediato medidas em relação à economia portuguesa (enquantoMinistro das Finanças), aumentando os impostos e reduzindo as despesas do Governo. Assim, eliminou o défice financeiro, o que lhe valeu grande prestígio e influência, chegando mesmo a retirar aos militares o poder de que dispunham até ao momento.
Salazar tornou-se Presidente do Conselho de Ministros em 1932, e em 1933 terminou a Ditadura Militar e começou oficialmente o Estado Novo. Uma vez àfrente do Governo, Salazar fez vigorar uma nova Constituição (a de 1933), que permitiu o fim da Ditadura Militar, e a qual tinha por principal mudança a dos poderes políticos:
O poder executivo pertencia ao Presidente da República e ao Governo nomeado por este;
O poder legislativo pertencia à Assembleia Nacional (eleita a cada quatro anos). Contudo, a última palavra relativamente às leis era dadapelo Presidente do Conselho, o que nos permite dizer que o Governo também interferia no Poder Legislativo.

Apesar de na Constituição constar isso, os direitos dos cidadãos não eram respeitados e as eleições não eram livres, sendo manipuladas por todo o tipo de ilegalidades. A Assembleia Nacional, formada por deputados, tinha um poder muito limitado, e, apesar da hierarquia estabelecida pelaConstituição, Salazar teve sempre um poder superior (e incontestado) ao do Presidente da Republica.















PORTUGAL E A DITADURA SALAZARISTA

O golpe desencadeado pelas forças armadas, em 1926, instaurou em Portugal, uma ditadura militar, tal como acontecia noutros países da Europa.
Contudo, a instabilidade política e os problemas económicos persistiram o que fez agravar odéfice orçamental e a dívida externa do país. Foi neste contexto de grande instabilidade que o general Óscar Carmona foi eleito Presidente da República em 1928.
Ao entrar na presidência, Carmona convidou António Oliveira Salazar, professor na Universidade de Coimbra, para ministro das finanças. Este aceitou o lugar, na condição de supervisionar os ministérios e de ter direito de veto sobre osaumentos das despesas.
Salazar conseguiu aumentar em muito o valor das receitas do país, graças à redução das despesas da Saúde, Educação, dos funcionários públicos e de outras despesas.
Desde logo ele é considerado o salvador da Nação, tendo conseguido um imenso prestígio.
O seu poder incidia em criar um estado forte, que garantisse a ordem, o que não se verificava no período da Primeira República,entre 1910 a 1926.
Para ele um estado forte devia assentar essencialmente no reforço do poder executivo, em que seria o seu chefe. Assim, substituía-se um pluralismo partidário por um partido único e abolia-se os sindicatos livres.
Em primeiro lugar, Salazar, defendia a preservação de valores tradicionais tais como Deus, Pátria e Família, de modo a formar uma...
tracking img