Analise do filme germinal de acordo com o livro de paulo freire

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2282 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Análise do Filme Germinal

O filme a ser analisado é o GERMINAL, o filme retrata a realidade sócio-politica do final do século XIX e inicio do século XX na Europa, mas especificamente na França. Retrata a vida diária de trabalhadores nas minas de carvão e as precariedades em que viviam. Além de ser muito difícil conseguir emprego os que são empregados tem um salário baixo e que mal dar parasobreviver e sustentar a família que geralmente é enorme.
Todos os membros das famílias trabalham, desde de crianças até os mais idosos, porque precisam dos míseros salários para que assim juntos conseguirem a subsistência de todos, sendo assim necessário quando acontecer uma morte substituírem rapidamente o membro perdido no trabalho. Só os bem pequeninos não trabalham, a pobreza dos personagem éevidente, a situação que vivem é quase calamitosa, as crianças pedem comida, pão, a água causava-lhes cólicas devido as condições precárias as quais eram armazenadas. Germinal( 08min:45seg.).
A obra Pedagogia do Oprimido, tratam exatamente dessa necessidade de uma práxis transformadora, por intermédio do processo pedagógico, de forma a conscientizar os educadores da realidade opressora que oscercam, aliando tal compreensão a pratica de questionamento, intervenção auto-organização popular, Como destaca Freire (17 ed.,p.34).

Os oprimidos, contudo, acomodados e adaptados, “imensos” na própria engrenagem da estrutura dominadora, temem a liberdade, enquanto não se sentem capazes de correr o risco de assumi-la. E a temem, também, na medida em que lutar por ela significa um ameaça, não sóaos que usam para oprimir, como seus “proprietários” exclusivos, mas aos companheiros oprimidos, que se assustam com maiores repressões

O mito da caverna de Platão descreve metaforicamente bem esta realidade em que estamos presos, acorrentados, olhando para vultos que achamos ser coisas reais, quando na verdade são apenas aparências. E caso algum dos presos no fundo da caverna se liberte,descubra o exterior e tente convencer seus pares de que tudo que conheceram e que tiveram como paradigma toda a sua vida é uma farsa, certamente ele será maltratado por seus pares, acomodados que estão em suas vidas. É o que Paulo Freire chama de medo da liberdade.

No filme há várias cenas em que relatam a diferencia entre os pobres e os ricos, como em uma que a mulher vai pedir em uma casa dericos, ela ate é bem tratada, mas eles ironizam sua situação, ela recebe migalhas deles, o que não servem mas para eles, eles doam a ela, e a filha deles que esta na mesa vendo a situação da mulher e das crianças dar um pedaço de pão da mesa de café dela para uma das crianças, o que para eles não faria falta, pra ela faz, mas eles nem ligam, esta ai a diferença de classe e poder. (22min:60seg.)
Afalta de humanização entre os opressores (que são a minoria), faz com que os oprimidos (que são a maioria), em algum momento sintam a necessidade de reivindicar os seus direitos, não querendo se tornarem opressores dos opressores, mas a restauração da humanidade por ambas as partes.
Os opressores tentam mostrar uma falsa generosidade para que consigam permanecer superiores aos oprimidos com maisfacilidade, mas a verdadeira generosidade será quando esses “condenados da terra” consigam, com sua luta, se tornarem restauradores da sua humanidade e da sua libertação.
Freire ( 17 ed.,p.45), cita que no primeiro momento que os oprimidos têm uma oportunidade de ascensão ao poder, eles se tornam mais opressores do que os que os oprimiram, mas isso acontece pelo fato de que, a situação real deopressão não foi transformada, porque aquele trabalhador para assegurar o seu lugar precisa oprimir os que estão “abaixo” para que o seu chefe ou patrão reconheça sua posição e atitude.

É que, para eles, pessoas humanas são apenas eles. Os outros, estes são “coisas”. Para eles, há um só direito o seu talvez nem sequer reconheçam, mas somente admitam aos oprimidos. E isto ainda, porque, afinal, é...
tracking img