Análise: uma didática para a pedagogia histórico - crítica

O autor João Luiz Gasparin almeja que os educadores aprendam criticamente o conhecimento científico, questionando a instrução pedagógica que vem norteando a prática educacional brasileira. O autorlança uma proposta de trabalho inovadora ao educador, com um “novo jeito de ensinar”, que busca interligar a prática social do aluno com a teoria, no intuito de melhorar a qualidade da formação doeducando.
Já no início de sua obra, o autor define as questões que encaminharam a construção do trabalho: qual a finalidade social dos conteúdos escolares? A escola tem acompanhado as transformaçõespromovidas pela sociedade? Ela responde às necessidades sociais da atualidade? O que hoje a escola faz e para quê?
Atualmente, a educação reproduz a sociedade capitalista, ou como diz Durkheim a escolaé uma sociedade em miniatura, desta forma, a educação não prioriza métodos como o de Gasparin, tendo uma pedagogia histórico-crítica, onde o professor, através da intencionalidade, da prática socialde seus alunos e da práxis, busca desenvolver um ser ontológico, mas quer sujeitos alienados, ao qual, sigam este modelo de sociedade e educação sem reivindicar pelos seus direitos individuais ecoletivos.
A nova metodologia de ensino-aprendizagem, norteada pela pedagogia histórico-crítica, procede da teoria dialética do conhecimento. Sua construção dá-se no movimento dinâmico entre oconhecimento empírico (visão caótica do todo) e o conhecimento científico (proporcionado pelo ambiente escolar). Este fazer pedagógico não envolve apenas a esfera escolar, sua intencionalidade ultrapassaeminentemente a técnica, abrangendo um cunho sociopolítico revolucionário para toda a sociedade.
O autor define esta teoria dialética do conhecimento em três palavras chaves: prática – teoria – prática, ouseja, a partir da prática social, questionar e analisar a ação cotidiana, buscando conhecimento teórico do que aconteceu, o que tornar-se-á um guia para a nova ação/transformação. Gasparin propõe...