Análise comparativa do teor de silício em diferentes órgãos vegetais do bambu

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1382 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ANÁLISE COMPARATIVA DO TEOR DE SILÍCIO EM DIFERENTES ÓRGÃOS VEGETAIS DO BAMBU
José Edson de Lima Torres1, Paulo Rodrigo Karas Serpa2,, Antonio Rafael da Silva Mesquita 3, Ivan de Almeida Machado Coelho4, Cleuma Christir da Silva Almeida5 e Egídio Bezerra Neto5.


Introdução
O bambu (Bambusa spp), pertencente à família Poaceae, originário da China e encontra-se bastante disseminado noBrasil. Este gênero é caracterizado por possuir colmos grossos cujo tecido resistente é composto principalmente de lignina e celulose. A planta de bambu é formada pelos sistemas subterrâneos de rizomas e raízes, e parte aérea de colmos, galhos e folhas. A planta pode apresentar flores ou frutos, por vez, ou os dois, simultaneamente. Os colmos são formados por uma série alternada de nós e entrenós. Com ocrescimento do bambu, cada novo nó interno é envolvido por uma folha caulinar protetora (bainha). Os colmos são formados por fibras e vasos. Esses colmos diferem, segundo a espécie, em comprimento, espessura da parede, diâmetro, espaçamento dos nós e resistência. Em sua maioria são ocos, podendo-se encontrar algumas espécies com entrenós sólidos e outros com água no seu interior. [1] Os colmos namaioria são ocos, a parede do colmo é constituída por fibras de poucos milímetros, feitas de lignina e silício, alinhadas paralelamente entre elas e envolvidas no tecido parenquimal proporcionando propriedades mecânicas construtivas excelentes. O silício agrega resistência mecânica ao bambu. A matriz de lignina dá flexibilidade. A distribuição das fibras é muito mais densa na parte externa. Obambu tem alta resistência ao longo do colmo e baixa resistência no sentido transversal às fibras.[2] No Brasil, dentre as espécies comerciais introduzidas destaca-se a Bambusa vulgaris (Wendl. ex Nees), utilizada nos programas de reflorestamento principalmente no Nordeste do país, ocupando cerca de 35.000 a 40.000 hectares para a produção de celulose. Apesar do elevado potencial, são poucas aspesquisas no Brasil dirigidas para as áreas silviculturais e

tecnológicas, bem como os estudos sobre a estrutura dos colmos de bambu. [3] A alocação de nutrientes em plantas tem sido descrita através da distribuição preferencial de biomassa e nutrientes em seus diversos órgãos. A distribuição desses nutrientes depende de vários fatores, como idade, nutrição, competição, relações hídricas, hábitos decrescimento. Na litosfera terrestre o silício (Si) é o segundo elemento mais abundante, depois do oxigênio (O). Absorvido pelas raízes junto com a água, o silício tende a acumular-se nas folhas, formando uma barreira física contra o ataque de insetos e fungos e regulando a perda de água da planta por transpiração. Em outras palavras, a adubação complementar com silício pode, além de aumentar aprodutividade, reduzir gastos com pesticidas. A acumulação de silício na cutícula (epiderme) também determina alterações na arquitetura das plantas, podendo ficar mais ereta, evitando o acamamento. [4] O presente trabalho tem o objetivo de avaliar o teor de silício (Si) nos colmos, galhos e folhas de bambu, provenientes de uma área adubada e outra sem adubação.

Material e métodos
Os órgãosvegetativos do bambu foram coletados em duas áreas distintas: A primeira foi no campus da UFRPE, nessa área foram coletadas amostras de três indivíduos, onde estes não passaram por tratos silviculturais; a segunda área foi na fazenda da usina AGRIMEX no município de Goiana/PE, onde o solo de cultivo dos bambus recebeu tratos adequados para sua plantação, nesta foram coletadas amostras de dezindivíduos, totalizando 13 (treze) espécimes ao final da

________________ 1 Aluno de Graduação em Engenharia Florestal, Departamento de Ciência Florestal, UFRPE. Av. Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife- PE, Brasil, CEP: 52171900. e-mail: edsonfloresta@yahoo.com.br 2. Aluno de Graduação em Engenharia Florestal, Departamento de Ciência Florestal, UFRPE. Av. Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois...
tracking img