Agronomia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 38 (9456 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE ESPÉCIES MEDICINAIS DO
CERRADO
Maria Cristina de Figueiredo e Albuquerque1, Maria de Fátima Barbosa Coelho2 e
Joana Maria Ferreira Albrecth3
1

FAMEV/UFMT. Av. Fernando Correa s/nº, Cuiabá-MT, 78060-900,

mcfa@cpd.ufmt.br.
2

FAMEV/UFMT. coelhomf@terra.com.br.

3

FENF/UFMT. kjtcm@terra.com.br.

Introdução
O cerrado é um dos Biomas brasileiros maisseriamente
segundo Ratter et al. (1997) durante os últimos 25 anos, vasta área do cerrado,
representando 40% de sua extensão original foi convertida ao uso da agricultura
moderna por intermédio das pastagens com espécies exóticas, ou arada para o
cultivo de espécies anuais (soja, milho etc.). Em Mato Grosso

esta região

representa um patrimônio cultural e biológico relacionado com asespécies
medicinais nativas que precisa ser conservado. Estas espécies são conhecidas e
utilizadas por diversas pessoas das comunidades tradicionais, as quais possuem o
conhecimento sobre o seu uso e preparo. Os estudos etnobotânicos de Jorge
(1980), Souza (1982), Arruda (1983), Berg (1984), Miranda (1986), Guarim Neto
(1987) e Assunção et al. (1993) confirmam o uso de 100 esp
Algumas

destasespécies

foram

submetidas

à

avaliação

fitoquímica

e

-se seu valor medicinal (Martins et al., 1992; Oliveira e
Martins, 1992; Ramos e Martins, 1992; Sampaio e Martins, 1992; Castro et al.,
1994a, 1994b; Lima e Martins, 1994; Oliveira et al., 1994).
Com a expansão da fronteira agrícola, muitas espécies vegetais de uso
medicinal e, em decorrência, também o conhecimento aelas associado, vêm
desaparecendo. Segundo Fachim e Guarim (1995) o velame (Macrosiphonia
velame M. ARG.), verga teso (Anemopaegma arvense (Vell.) Stelf.), barbatimão

2

(Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville) e mangava brava (Lafoensia pacari
St. Hil.) estão na categoria de vulneráveis, devido à forma de utilização e à
sta. Como são utilizadas raizes, xilopódios e entrecasca destasespécies, a planta inteira pode ser destruída, se não forem aplicadas técnicas
adequadas de extração. Silva et al. (2001), analisando o comércio de plantas
medicinais brasileiras, relatam que a fava de anta (Dimorphandra mollis), a
ipecacuanha ou poaia (Cephaelis ipecacuanha), o jatobá (Hymenaea courbaril L.)
e o barbatimão (Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville) encontram-se em
riscode extinção.
As pesquisas que são realizadas com recursos genéticos de espécies
medicinais nativas, somente terão aplicação se for assegurada a sobrevivência e a
disponibilidade desse material genético. Dentro deste contexto, são necessárias
pesquisas que avaliem a melhor forma de propagação, para que sejam
estabelecidas técnicas de cultivo e manejo. Os conhecimentos adquiridos
poderiamentão ser compartilhados com as comunidades tradicionais e demais
recursos, para propiciar a conservação dessas espécies
medicinais.
O objetivo deste trabalho foi registrar os estudos básicos de germinação,
necessários para o cultivo e conservação ex situ, que estão sendo realizados com
sementes de espécies medicinais do cerrado, pelos Grupos de Pesquisa em
Sementes e em Manejo e Propagação dePlantas Nativas de Mato Grosso, da
Universidade Federal de Mato Grosso.

Germinação e Dormência
Antes de 1964, acreditava-se que a propagação vegetativa era a única
responsável pela perpetuação das espécies do cerrado. Em 1963, Laboriau
relatou a viabilidade e germinação de sementes de espécies nativas do cerrado
brasileiro em condições naturais. Posteriormente, os conhecimentos sobre agerminação de muitas dessas espécies foram ampliados e realizadas algumas

3

compilações (Laboriau et al., 1963; Rizzini, 1976; Felippe e Silva, 1984; SouzaSilva et al., 2001).
Os estudos com germinação de sementes são geralmente realizados com
os objetivos de ampliar os conhecimentos fisiológicos, verificando as respostas de
germinação a fatores ambientais, causas de dormência e métodos...
tracking img