Acidos frangos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 42 (10465 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE AGRONOMIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

USO DE ACIDIFICANTES EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE:
RESÍDUOS NO TRATO DIGESTIVO E EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO
ANIMAL E MORFOLOGIA INTESTINAL

EDUARDO SPILLARI VIOLA
Engenheiro Agrônomo/UFRGS

Tese apresentada como um dos requisitos à obtenção do
Grau de Doutorado Zootecnia
Área deConcentração Produção Animal

Porto Alegre (RS), Brasil
Março 2006

AGRADECIMENTOS

A minha esposa Teresa Herr Viola

suporte indispensável,

colaboradora incansável, companheira nas horas difíceis, estímulo sempre
necessário.
Aos meus pais Eniltur Anes Viola e Elizabeth Spillari Viola,
orientadores, amigos, carinho sempre necessário e espelhos a quem dedico
minha formação.
Aosmeus irmãos Fabiana Spillari Viola, Luciana Spillari Viola e
Marcelo Spillari Viola, sempre presentes.
Em especial ao meu filho Marcelo Herr Viola, amor e estímulo a
quem dedico este trabalho.

ii

USO DE ACIDIFICANTES EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE:
RESÍDUOS NO TRATO DIGESTIVO E EFEITOS SOBRE O DESEMPENHO
ANIMAL E MORFOLOGIA INTESTINAL1
Autor: Eduardo Spillari Viola
Orientador: SérgioLuiz Vieira
Co-orientador: Fernando Rutz

RESUMO
Três experimentos foram conduzidos para determinar o efeito de diferentes
misturas de acidificantes no desempenho, morfologia e presença de resíduos
de ácidos orgânicos no intestino delgado de frangos de corte. Nos
experimentos 1 e 2 foram utilizados 2.112 frangos de corte distribuídos em 6
tratamentos (Experimento 1) e 8 tratamentos(Experimento 2). Foi observado
um efeito benéfico geral das misturas de acidificantes na dieta no desempenho
dos frangos de corte. Não houve diferença em relação as dietas Controle
Positivo e resposta superior, em comparação as dietas Controle Negativo.
Houve efeito positivo da inclusão de misturas de acidificantes na morfologia
intestinal, em relação as dietas Controle Negativo. Não houve diferençaentre
os tratamentos para o número de vilos por quadrante. A altura das vilosidades
foi significativamente inferior para as aves do Controle Negativo. A
profundidade de cripta foi significativamente superior para os animais
recebendo as dietas com acidificantes. O intestino delgado das aves do
Controle Negativo foi mais pesado e mais comprido do que os demais
tratamentos, sendo o seu pesomaior em função do peso para jejuno e íleo,
mas não para o do duodeno. Foi observada correlação negativa entre o nível
de acidificante na dieta e a concentração de ácidos nas secções do intestino
delgado. A adição de acidificantes na dieta influenciou o padrão de
concentração dos ácidos no intestino delgado, no entanto este é constante nos
dois períodos de tempo analisados, 7 e 21 dias de idade.A adição de misturas
de ácidos orgânicos foi eficiente na manutenção do desempenho e condições
morfológicas do intestino delgado de frangos de corte.

1

Tese de Doutorado em Zootecnia - Produção Animal, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal
do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. (196 p.) Março 2006.

iii

THE USAGE OF ACIDIFIER BLENDS IN BROILER DIETS:
RESIDUES INDIGESTIVE TRACT AND EFFECTS ON ANIMAL
PERFORMANCE AND INTESTINAL MORPHOLOGY1
Author: Edardo Spillari Viola
Advisor: Sérgio Luiz Vieira
Co-advisor: Fernando Rutz

ABSTRACT
Threeexperiments were conducted to verify the effect of different acidifier
blends on animal performance, intestinal morphology and organic acid residual
on small intestine of broilers. There was used 2.112 broiler chiksin each,
allocated in 6 treatments (Experiment 1) corresponding to different blends and
acidifier blends doses (dose in kg/ton in pre-starter/stater/grower phase): and 8
treataments (Experiment 2). There was a benefical general effect of including
acidifier blends on broiler performance. There was no difference in comparing
with Positive Control and a better response in relation to Negative...
tracking img