Acidentes de motos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6490 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO



O Brasil, nas últimas décadas, foi, aos poucos, se colocando entre os campeões mundiais de acidentes de trânsito, como reflexo do número de veículos em circulação, da desorganização do trânsito, da deficiência geral da fiscalização, das condições dos veículos, do comportamento dos usuários e da impunidade dos infratores. Entre os acidentes de trânsito, observa-se, nasúltimas décadas, um aumento crescente no número de acidentes envolvendo motocicletas, veículo que vem ganhando, cada vez mais, a aceitação e a aprovação da população, por ser um veículo ágil, econômico e de custo reduzido.
Os custos dos acidentes em países “pobres” aproximam-se de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) e 2% nas nações desenvolvidas. Em termos globais, são gastos anualmente U$S 518bilhões em custos diretos e indiretos com os acidentes motociclísticos (BERNADINO, 2007). O Ministério da Saúde vem priorizando o tema nos últimos anos, e desde 2004 inseriu análises sobre acidentes de trânsito na publicação Saúde Brasil. Na primeira edição, em 2004, apresentou uma análise da tendência da mortalidade por acidentes de trânsito no Brasil entre 1981 e 2001 e uma análise do impactodo Código de Trânsito Brasileiro na redução da mortalidade (BRASIL, 2004). No Brasil, como em outros países, os acidentes de trânsito são um ponto crítico e preocupante nas estatísticas de morbimortalidade, tendo destaque especial entre as causas externas. Constituem um grave problema de saúde pública e são importantes causas de morte, incapacidades e seqüelas, principalmente em indivíduosjovens.
Estudos realizados têm mostrado que pedestres e motociclistas têm apresentado mais alta morbidade e mortalidade que as demais vítimas dos acidentes de veículos a motor (KOIZUMI, 1990; SOUSA et al.,1999).






2 REVISÃO DE LITERATURA




2.1 Violência No Trânsito




A violência é reconhecida como um dos problemas de maior magnitude e transcendência no Brasil peloforte impacto na morbidade, mortalidade e qualidade de vida da população. Os acidentes de trânsito (AT), representam mais de um quarto das mortes violentas do país e respondem por 20% das internações por lesões e envenenamentos, ocupando o segundo lugar no conjunto das causas externas (ANDRADE, 1998). O problema das mortes violentas é destaque tanto nas sociedades desenvolvidas como nassubdesenvolvidas, sendo que os acidentes de trânsito respondem por importante parcela deste grupo de causas (MESQUITA, 1990; OTT; COL, 1993; OPAS,1994). Esses merecem especial atenção porque, além de tantas mortes, determinam graus variados de incapacidade física em expressivo número de vítimas, os acidentes de trânsito não são uma fatalidade, como boa parte da população insiste emacreditar, mas ocorrem pela deficiência na conservação de veículos e estradas ou, ainda, são provocados pelos pedestres e condutores e, as falhas humanas se sobrepõem aos demais determinantes dos acidentes (OTT; COL, 1993; OPAS, 1994). A ocorrência de um significativo número de acidentes de trânsito envolvendo vítimas fatais é freqüentemente associado a grandes centros urbanos como cidades de SãoPaulo e Rio de Janeiro e às grandes rodovias. No entanto, as estatísticas oficiais vêm mostrando que a questão das mortes no trânsito é também destaque nas localidades do interior e muitos ocorrem dentro do perímetro urbano (SOARES, 1996).
Estudos desenvolvidos em 2004, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), demonstraram que 30% dos acidentes no mundo são atropelamentos e causam 51% dosóbitos. Os acidentes de trânsito são considerados, na atualidade, a terceira causa de mortes no mundo, asseverando que as maiores vítimas são as crianças, adolescentes e jovens (BRASIL, 2004). No Brasil, estima-se que mais de 30 mil pessoas morrem por ano, em acidentes de trânsito. No Estado de Mato Grosso do Sul, segundo levantamento do setor de estatísticas do Departamento Estadual de...
tracking img