Aaaaaaaaaaaaaaaaa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3070 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12



Aprova a ITG 1000 – Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte.




O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na alínea “f” do Art. 6º do Decreto-Lei n.º 9.295/46, alterado pela Lei n.º 12.249/10,RESOLVE:

Art. 1º Aprovar a ITG 1000 – Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte.


Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, aplicando-se aos exercícios iniciados a partir de 1º de janeiro de 2012.




Brasília, 5 de dezembro de 2012.



Contador Juarez Domingues Carneiro
Presidente



AtaCFC n.º 972























NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

ITG 1000 – MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE


|Índice |Item |
|ALCANCE|1 – 6 |
|DEFINIÇÕES |7 |
|ESCRITURAÇÃO |8 – 14 |
|CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS|15 – 25 |
|DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS |26 – 39 |
|PLANO DE CONTAS SIMPLIFICADO |40 – 42|
|ANEXO 1 – Carta de Responsabilidade da Administração | |
|ANEXO 2 – Balanço Patrimonial | |
|ANEXO 3 – Demonstração do Resultado do Período| |
|ANEXO 4 – Plano de Contas Simplificado | |



Alcance

1. Esta Interpretação estabelece critérios e procedimentos simplificados a serem observados pelas entidades definidas e abrangidas pela NBC TG 1000 – Contabilidade para Pequenas e MédiasEmpresas, que optarem pela adoção desta Interpretação, conforme estabelecido no item 2.
 
2. Esta Interpretação é aplicável somente às entidades definidas como “Microempresa e Empresa de Pequeno Porte”, conforme definido no item 3.

3. Para fins desta Interpretação, entende-se como “Microempresa e Empresa de Pequeno Porte” a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual deresponsabilidade limitada ou o empresário a que se refere o Art. 966 da Lei n.º 10.406/02, que tenha auferido, no ano calendário anterior, receita bruta anual até os limites previstos nos incisos I e II do Art. 3º da Lei Complementar n.º 123/06.

4. A adoção dessa Interpretação não desobriga a microempresa e a empresa de pequeno porte a manutenção de escrituração contábil uniforme dos seus atos efatos administrativos que provocaram, ou possam vir a provocar, alteração do seu patrimônio.

5. A microempresa e a empresa de pequeno porte que optarem pela adoção desta Interpretação devem avaliar as exigências requeridas de outras legislações que lhe sejam aplicáveis.

6. A microempresa e a empresa de pequeno porte que não optaram pela adoção desta Interpretação devem continuar a adotar...
tracking img