Ação de Indenização por danos materiais - Acidente de Trânsito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2121 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de janeiro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA __ª VARA CÍVEL COMARCA DE RIO BRANCO – ACRE.








XXXXXXXXXXX, brasileiro, casado, empresário, portador do RG nº XXXXXXXX e do CPF/MF nº XXXXX0, residente e domiciliado XXXXXXXXXXXX, por intermédio de seu advogado infrafirmado, instrumento de mandado em anexo, com escritório profissional sediado no endereço constante do rodapé, onde recebe asintimações de estilo, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, com fulcro no artigo 275, II, D, do Código de Processo Civil Brasileiro, propor a presente

AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS MATERIAIS DECORRENTES DE ACIDENTE DE TRÂNSITO

face ao Sr.XXXXXXXX, brasileiro, motorista, portador do CPF XXXXXXXXXXX, residente e domiciliado na XXXXXXXXXXXX

I – DOS FATOS

O Autor é proprietáriodo Veículo de PlacaXXXXX, marca FORD, modelo F250 XLT W21, cor branca, ano 2010, Chassi XXXXXXXXXX, RenavamXXXXXXXXX.

Em 19 de Novembro de 2013, por volta das 17 horas, quando trafegava na BR-364, sentido Porto Velho – Rio Branco, por volta do KM 20 da estrada, o Autor foi surpreendido pelo veículo de Placa XXXXXXXXX, marca M. Benz, modelo 1418R (Caminhão), cor verde, ano 1998, ChassiXXXXXXXXX0, RenavanXXXXXXXXX, de propriedade do Réu, que sem qualquer parada ou sinalização, de forma totalmente irresponsável, saiu de um ramal e entrou na BR-364 no mesmo sentido em que trafegava.

A manobra ilegal e imprudente realizada pelo Réu acabou por gerar a colisão inevitável, tendo o Autor atingido a traseira do veículo conduzido pelo Réu, uma vez que não foi possível realizar a frenagem atempo, mesmo dirigindo dentro do limite de velocidade permitido na via.

Segundo relato do próprio Réu, no momento do impacto, o mesmo ainda estava em velocidade de aceleração, por volta de 30 Km/h.

Infelizmente o Boletim de Acidente de Trânsito (anexo), realizado pela Polícia Rodoviária Federal, foi pouco detalhado, mas o suficiente para dexiar clara a não observância do Réu às leis detrânsito, que determinam ao condutor que for ingressar numa via, procedente de um lote lindeiro a essa via, deverá dar preferência aos veículos e pedestres que por ela estejam transitando, bem como determina que nas vias providas de acostamento, a conversão à esquerda e a operação de retorno deverão ser feitas nos locais apropriados e, onde estes não existirem, o condutor deverá aguardar noacostamento, à direita, para cruzar a pista com segurança.

O Réu não cumpriu nenhuma das determinações contidas no CTB, o que torna cristalino que o acidente foi ocasionado por sua negligência e imprudência, eis que dirigiu seu veículo sem os cuidados indispensáveis à segurança do trânsito.

O próprio Réu reconheceu sua responsabilidade, uma vez que após o acidente pedia desculpas e se justificavaafirmando que não tinha visto o veículo do Autor, o que foi presenciado pelo taxista que socorreu o Autor, a ser oportumanete arrolado como testemunha.

Em decorrência do acidente, o veículo do Autor sofreu danos de grande monta, conforme se vê pelo laudo anexado à inicial, que constata a PERDA TOTAL do veículo. Ou seja, a sua Inutilização.
Conforme se verifica pela consulta à TABELA FIPE(anexa), índice utilizado para determinar o valor médio de mercado de veículos, o dano causado pelo Réu atinge o montante de R$ 90.000,00 (noventa mil reais), valor correspondente ao atual preço de mercado do veículo do Autor.

Desta forma, Excelência, tendo em vista os prejuízos causados pelo Réu, este deve ser condenado ao pagamento de indenização por danos materiais.

II – DO DIREITO

Do DanoMaterial

Conforme anteriormente relatado, a Réu em dirigir sem os cuidados indispensáveis à segurança do trânsito, o que causou grandes prejuízos à parte autora.

Vejamos o disposto no Código de Trânsito Brasileiro:

"Art. 28. O condutor deverá, a todo momento, ter domínio de seu veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis a segurança do trânsito.

Art. 34. O condutor...
tracking img